Notícias

Nelson Sargento dita o ritmo do Samba no Centro Cultural da Light


Postado em 15/10/2010

Nelson Sargento dita o ritmo do Samba no Centro Cultural da Light title=

Quem foi até o Centro Cultural da Light ontem (14/10) no horário do almoço, saiu alimentado do melhor do que se pode ter em termos de Samba. No alto de seus 86 anos, “Seu” Nelson Sargento deu uma aula de Samba para uma platéia que lotou o teatro da Light. A apresentação faz parte das comemorações pelo centenário de Noel Rosa, com shows todas as quintas-feiras entre setembro e dezembro, integrando o espetáculo intitulado “Noel, O Feitiço do Samba”.

Nelson Sargento iniciou a apresentação fazendo o público levantar já na segunda música “Palpite Infeliz”, e com muito bom humor, brincou com a platéia o tempo todo, fazendo todos os presentes se divertirem muito. Um bom exemplo disso, foi a sacada de Nelson ao responder a um fã que gritou “Bebe um pouco de água!”, Nelson hilariamente respondeu, “Por que?, isso é bebida que se ofereça à um sambista? Mas tudo bem, um bom conselho agente não dispensa”. Esse é o Nelson Sargento.

Entoando brilhantemente os mais famosos sambas de Noel Rosa, o sambista recitou alguns versos que ele julga como fantásticos do poeta da vila, sempre dialogando com o público.

A apresentação foi dividida em duas partes, sendo a primeira, composta pelos sambas de Noel, e a segunda, composta por sambas da carreira do próprio Nelson.

Na segunda parte, “Seu” Nelson desfilou os grandes sambas de sua autoria, como “Homenagem à Cartola”, “Falso Amor Sincero” e “Só Eu Sei”, até brecar a banda para recitar “Se Todos Fossem Iguais a Você” de Vininius de Moares, para agradecer a receptiva e calorosa platéia. Nelson, aliás, brincou o tempo todo com bela banda formada por Wander Fontana, no violão de 7 cordas, Márcio Almeida no cavaquinho, Pedro Lima e Ronaldo Mattos (filho do mestre) na percussão, além do muito simpático produtor e músico Agenor de Oliveira.

O final da apresentação de uma hora de duração, que Nelson Sargento levou sem intervalos, não podia ser melhor, levando o público a se levantar das cadeiras e sambar ao som de “Agoniza Mas Não Morre”, onde ganhou a companhia de uma inveterada sambista que subiu ao palco para dançar ao seu lado, e no bis emendou com o samba de sua autoria que é tido como um dos mais belos de todos os tempos: “Primavera”.

O público presente saiu com gostinho de quero mais em uma ótima tarde no teatro do Centro Cultural da Light, que está de parabéns pela iniciativa e incentivo à cultura, possibilitando momentos históricos como esse.




Esta nota foi lida 1005 vezes.