Resenha do Cd The Makarrata Project / Midnight Oil

THE MAKARRATA PROJECT title=

THE MAKARRATA PROJECT
MIDNIGHT OIL
2020

SONY MUSIC
Por Thais Sechetin

E após longos 18 anos de jejum, o Midnight Oil lança um trabalho novo. O 12º álbum da banda produzido por Warne Livesey e lançado pela Sony Music australiana, é na verdade um mini-álbum de 7 músicas chamado “The Makarrata Project”, que de acordo com a Revista Rolling Stone da Austrália,era pra ser divulgado antes mas o COVID- 19 atrasou os planos.

The Makarrata Project mais uma vez resulta do engajamento da banda em temas políticos e sociais, e conta com uma verdadeira caixa sortida de estilos musicais e artistas australianos, a maioria de descendência indígena.

O álbum fala sobre a Declaração Uluru do Coração e da comissão Makarrata sobre a necessidade dos povos indígenas em ter voz ativa no parlamento australiano. Explicando:

Ainda não existe na constituição australiana proteção aos povos indígenas e garantia de voz no parlamento. Os Povos das Primeiras Nações, como são chamados, constituem apenas 3 por cento da população, e embora haja órgãos representativos criados pelas legislação, eles podem (e já foram muitas vezes) ser abolidos a qualquer momento. Em 2017, tais questões foram evidenciadas através da Declaração Uluru do Coração, que pede o apoio da população australiana na exigência de reformas que estabeleçam novo relacionamento entre australianos e aborígenes baseados na justiça, voz ativa e preservação da história e cultura desses povos. A comissão chamada Makarrata, palavra que significa “união após uma luta,” possui duas funções:
supervisionar um processo de celebração de acordos (entre o parlamento, a população australiana e os Povos das Primeiras Nações) e
supervisionar um processo de dizer a verdade sobre a história dos aborígenes e tudo o que foi sofrido por eles nos últimos séculos.

A música que abre o disco chama-se “ First Nation” e fala sobre os problemas sofridos pelos aborígenes, já citados.Conta com a participação da cantora pop Jessica Mauboy, que é filha de uma indígena e também conta com a participação do rapper Tasman Keith,que deixa sua marca hip hop.

Talvez a música que mais se pareça com o som característico do Midnight Oil seja “Gadigal Land”,que é o primeiro single do álbum.Tem as participações da cantora Kaleena Briggs, do cantor Dan Sultan,do músico Bunna Lawrie e do poeta Joel Davison.Em “Change The Date” há a participação póstuma do músico indígena Gurrumul Yunupingu, falecido em julho de 2017 e o material inédito do artista foi cedido por sua família e pela gravadora. A música quebra a parte inicial explosiva do disco e é uma passagem para a belíssima “Terror Australia”, com os vocais de Alice Skye e que fala sobre a tradição indígena ser oculta pela sociedade moderna altamente consumista.

A quinta música do disco é ” Desert Man, Desert Woman” com participação do músico veterano Frank Yamma. Ele e seu pai, o falecido músico Country Isaac Yama são Pitjantjatjara, povo aborígene do deserto da Australia Central, próximo a Uluru, e Frank é considerado um dos mais importantes compositores indígenas. Esse folk fala sobre um indígena perdido em meio a cultura moderna,destituído de sua própria história. Diz a letra:“Seguindo em frente no grande outback”...
Experimentando o Country e o Folk,Midnight grava “Wind In My Head” com a participação de Kev Carmody e Sammy Butcher. A letra nos leva a refletir sobre toda a destruição do planeta resultantes da falta de respeito pela história dos povos mais antigos e falta de respeito pela natureza.

Fechando o disco,com o principal destaque, é lida a Declaração de Uluru Do Coração, também contando com participações especiais.Não é apenas uma leitura,pois a declaração é a introdução (de mais de três minutos) da música que encerra o trabalho convidando todos a conhecerem sobre a causa e apoiá-la, não apenas na Austrália,e sim no mundo todo.

Aliás,para quem despertou a curiosidade, a declaração consta no site oficial do projeto https://ulurustatement.org/ e foi traduzida em várias línguas, inclusive em português. Ela também consta em inglês, na íntegra,na própria capa do The Makarrata Project. A banda doará sua parte de rendimentos com o álbum para a causa.

Mais que um álbum de conscientização política ou de temas sérios abordados pelo Midnight ao longo de toda a carreira, esse trabalho é uma preservação da história, da cultura e da tradição quase extinta de povos a quem devemos graças por nossa ancestralidade.

Resenha Publicada em 12/11/2020





Esta resenha foi lida 159 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z







Outras Resenhas do Artista


DVDs


Outras Resenhas