Resenha do Cd Sete Desejos / Alceu Valença

SETE DESEJOS title=

SETE DESEJOS
ALCEU VALENÇA
1992


Por Anderson Nascimento

Lançado em 1992, pouco tempo depois de encerrar com um show histórico “a noite do Prince” no Rock in Rio II, Alceu Valença começava a preparar um disco que entraria para a sua história como um de seus melhores discos: “7 Desejos”.

Com um misto de sensualidade, intimismo e atitude, “Sete Desejos” vai encantando o ouvinte desde a citação de “Papagaio do futuro” na primeira faixa, até puxar o freio de mão na faixa de encerramento “Desejo” que transborda minimalismo e sentimentos em uma paradoxal ensolarada obra-prima.

Talvez um dos aspectos que mais corrobore com o fato desse disco ser tão importante na carreira de Alceu, é o fato de estarem ali os clássicos “Tomara”, "La Belle de Jour", “Bicho Maluco Beleza” e “Tesoura do Desejo”, que até hoje são obrigatórias em qualquer show do artista pernambucano.

Sete Desejos é um daqueles discos que impregnam nossa mente fazendo com que a gente sinta vontade de repeti-lo sem parar, e a sua diversidade faz com que o álbum vire um prato cheio de canções ávidas para serem consumidas.

Em “Papagaio do Futuro” ouvimos um repente com a força de qualquer Rock que possamos imaginar; em “Tesoura do Desejo” a beleza de um duo com Zizi Possi tal qual a música mais romântica que você possa imaginar; “ La Belle de Jour” traz um sussurro daqueles de tirar o fôlego, fazendo com que possamos até imaginar a morena da música; “Sete Desejos”, a faixa título é cheia de bucolismo em um instrumental magnífico; “Tomara” é cheia de lirismo, é esperançosa; “Bicho Maluco Beleza”, em uma versão mais lenta do que nas performances atuais, tem o poder de não te deixar quieto, ao menos os pés começam a balançar ao ouvi-la; “Junho” é acompanhada por uma linda orquestra, e é um verdadeiro poema musicado ; “Respeita Januário” de Luiz Gonzaga, fortalece as pretensões do misto de brasilidade do álbum; “Desprezo” é um esporro indignado em meio a uma sonoridade nordestina encantadora; “Desejo” encerra magistralmente o disco em um misto de súplica e confissão numa canção extremamente emocionante.

Alceu frutificou uma fusão de música regional com pop e Rock e acabou evidenciando uma tendência que a partir dali ditaria o rumo dos anos noventa com artistas como Raimundos, Chico Science, Skank e até mesmo Os Paralamas do Sucesso.

Resenha Publicada em 28/09/2008





Esta resenha foi lida 1812 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas