Resenha do Cd O Garimpo Das Raridades / Zé Ramalho

O GARIMPO DAS RARIDADES title=

O GARIMPO DAS RARIDADES
ZÉ RAMALHO
2021

DISCOBERTAS
Por Anderson Nascimento

Em tempos onde a vida do colecionador de discos em mídia física tem se tornado cada vez mais um ato de resistência, por conta de ofertas cada vez mais escassas e preços cada vez mais impraticáveis, eis que chega ao mercado um verdadeiro baú do tesouro, condensado em um box com quatro CDs.

“O Garimpo das Raridades”, novo box do selo Discobertas, apresenta 59 canções do Zé Ramalho divididas em álbuns temáticos, contendo gravações raras feitas nos últimos 30 anos de sua carreira.

O trabalho gráfico é caprichadíssimo, cada CD ganhou uma identidade própria, e os encartes apresentam letras de todas as faixas, além de todas as informações técnicas possíveis, e ainda, quando aplicado, o álbum de onde a faixa foi extraída.

Esse compilado de faixas mostra a versatilidade do artista, com parcerias com os mais diversos artistas, indo do Andreas Kisser, com a pesada e maravilhosa “Em Busca do Ouro”, à Chitãozinho & Xororó, no sucesso “Sinônimos”. Ratifica também a generosidade do Zé, ao participar de discos de vários artistas, sejam eles figurões consagrados ou artistas pouco conhecidos do grande público.

Os discos foram batizados pelo próprio Zé Ramalho. O disco 1 chama-se “Zé Ramalho Precioso” e, como o próprio nome diz, adentra por gravações raras, destacando-se “O Progresso”, primeiro single do projeto e “Lembranças do Primeiro”. Vale destacar também “Just for Today” e “O Homem Deu Nomes a Todos os Animais”, que já haviam pintado em lançamentos da Discobertas.

O disco 2 chama-se “Nordestino”, e faz jus ao nome, com importantes fonogramas que incluem Dominguinhos e Hermeto Pascoal, além de canções de Luiz Gonzaga e Reginaldo Rossi. Neste disco está a gravação de “O Meu País”, fonograma gravado na turnê do álbum “Eu Sou Todos Nós”, em 1998, mas que não poderia ter letra mais contemporânea.

O disco 3 foi batizado de “Zé Ramalho Canta Com...” e apresenta várias parcerias, entre elas, incríveis momentos com Paulo Cesar Barros, Oswaldo Montenegro e uma rara parceria com Carlos Maltz (Engenheiros do Hawaii), extraída do raríssimo álbum “Farinha do Mesmo Saco” (2002).

Por último, o disco 4 é um verdadeiro presente para os fãs e colecionadores. “Antologia Acústica Ao Vivo” traz o show gravado por Zé Ramalho no Canecão (RJ), em 1997, na turnê do bem sucedido álbum de mesmo nome. Esse disco será lançado de forma independente no formato digital.

Com produção realizada em parceria entre a Discobertas e Avôhai Music e direção de seus representantes, Zé Ramalho e Marcelo Fróes, o box foi lançado digitalmente no dia 18/06, enquanto que a versão física já pode ser encontrada nas lojas, enquanto durarem os estoques sempre limitadíssimos nestes novos tempos.

Resenha Publicada em 26/06/2021





Esta resenha foi lida 588 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z







Outras Resenhas do Artista

CDs


Livros


Outras Resenhas