Resenha do Cd Live From The Living Room / Mr. Big

LIVE FROM THE LIVING ROOM title=

LIVE FROM THE LIVING ROOM
MR. BIG
2012

WHD ENTERTAINMENT
Por Johnny Paul Soares

A banda estadunidense de Hard Rock Mr. Big senta em trono de ouro no Japão. Desde os anos 90 registram performances magistrais em solo japonês, marcando em sua história incontáveis passagens que poderia resultar em um compilado bacana para os fãs. Desde o retorno da formação original em 2009 com o CD/DVD Back to Budokan (viu só?!), estes carismáticos músicos não pararam mais, colocando na praça mais um de inéditas, o ótimo What If... para deleite geral e com direito a holofotes atentos ao acontecimento.

Live From The Living Room é um registro acústico ímpar na discografia da banda, registrando um pouco da turnê de What If... mas... realizado com um sorteio para 200 pessoas, e esses 200 japoneses sortudos jamais esquecerão desse evento memorável. A versão em Compact Disc teve dez músicas incluídas (detalhe para a exclusão de Green Tinted-Sixties Mind). A versão em DVD traz quinze canções, o show completo.

O nome Live From The Living Room não carrega apenas um significado oco em seu todo, mas na parte estética coloca a todo vapor um cenário realmente parecendo uma sala de estar, com sofás, mesas, cadeiras, e Eric Martin (vocais), Paul Gilbert (violões e vocais), Billy Sheeran (baixo e vocais) e Pat Torpey (percussão e vocais) tocando seus números por vezes acompanhados de uma pequena orquestra. É inegável e desnecessário citar a qualidade que cada um possui em seus instrumentos.

Versões como Undertow, que abre o concerto, receberam um novo corpo com os violões de Paul Gilbert, dando uma imersão completamente diferente da versão elétrica de estúdio.

A linda As Far As I Can See sobrevoa em emoções distintas. Poderia até mesmo ser um número candidato a ser lançado nos anos 80, com produção de Desmond Child, só para notar sua beleza.

Canções como Voodoo Kiss receberam um flerte ainda mais gostoso com o Boogie com essa versão acústica, mostrando toda a malandragem do Mr. Big em seu portentoso groove. Já Take Cover dorme de olhos abertos, tamanha perfeição. All The Way Up parece que foi escrita para alguém que mantém uma luz e que é venerado pelo indivíduo em primeira pessoa, e aqui nós podemos notar uma leve sensibilidade, ainda mais que no disco What If..., sendo capaz de tirar prantos.

To Be With You, é claro, está presente e conta com um arranjo lindo da orquestra, munidos de todo o talento envolvido para fazer a nave voar. O público vai à loucura. Nobody Left to Blame, a última da versão em CD, já traz uma guitarra elétrica, finalizando com charme. Mas o que impressiona é como Paul Gilbert consegue tirar sons das seis cordas do violão com a mesma facilidade como toca sua guitarra. A beleza entra em erupção.

Live From The Living Room foi lançado em 2012, mas gravado em 2011 e não contém nenhuma canção da fase Kotzen. “Hello, Japan”. Os amantes da boa música agradecem, pois, um disco sólido e fresco como LFTLR, capturando com propriedade a fase áurea e a volta da formação do Mr. Big, chegou e parou, mas podemos nos surpreender a qualquer momento com esse quarteto de respeito.

Resenha Publicada em 09/01/2018





Esta resenha foi lida 59 vezes.



Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z



Saiba como anunciar no Galeria Musical

Outras Resenhas do Artista


Outras Resenhas