New Document

Galeria Musical

Resenha de DVD

    CELEBRATION DAYLED ZEPPELIN
    2012
    Por Valdir Junior

    opinião dos leitores: 5.00 de um total de 2 votos








    O Último show do Led Zeppelin ocorreu no dia 07/07/1980, dois meses depois, com a morte do baterista John Bonham, a banda encerrou suas atividade e com exceção de breves reencontros como no Live AID (com Phil Collins na Bateria), no casamento de Jason Boham e quando o Led entrou para o Rock and Roll Hall of Fame (nas duas ocasiões com Jason na Bateria) não foram bem uma apresentação que estivessem a altura do legado do que a banda fazia ao vivo e por isso eram encaradas por Jimmy Page, Robert Plant e John Paul Jones com uma certa vergonha do fiasco que se tornaram.

    Quando os membros remanescentes da banda aceitaram em 2007 participar do show em homenagem a Ahmet Ertegun (fundador da Atlantic Records) que seria realizado no O2 Arena de Londres, decidiram que esse seria um show à altura do legado da banda.

    Durante vários meses a banda se preparou, ensaiando com empenho, lapidando e escolhendo o repertorio adequado para ser tocado ao vivo sem exageros, jams e improvisos intermináveis que eram marca registrada dos shows da banda nos anos 70 (uma das exigências de Robert Plant para fazer essa apresentação) e levando em conta também que a voz de Plant já não é mais a mesma, os tons das musicas foram adequados ao seu atual alcanço vocal sem descaracterizar as mesmas.

    O equipamento de Jimmy Page (guitarras, amplificadores e pedais de efeito) também foi todo revisado e regulado para nenhuma nota deixar de ser tocada ou ouvida. Jason Bonham que ao longo dos anos estudou e se aprofundou mais e mais nas levadas e batidas que se pai fez em cada gravação e show que o Led fez, se tornou como todo bom baterista o condutor da banda e chegou em vários momentos a “ensinar” Plant, Page e Jones como era tocada determinada musica.

    Quando a banda subiu ao palco do O2 Arena no dia 10/12/2007 o publico assistiu uma banda robusta sem excessos e pronta para saciar um publico que esperava por mais de 20 anos para rever umas das mais mitológicas lendas do Rock and Roll que já existiu nesse planeta (vale ressaltar que os ingressos para show se esgotaram em poucos minutos e depois passaram a valer verdadeiras fortunas no Ebay).

    Antecedendo a entrada da banda, foi passado no telão do O2 Arena uma breve reportagem de 1973 mostrando quando o Led quebrou o recorde de publico dos Beatles para uma apresentação ao vivo (essa reportagem completa está nos extras da reedição em DVD de 2007 do filme “The Songs Remaisn The Same”).

    Quando show começa as luzes explodem ao som da introdução de “Good Times Bad Times” somos todos arrebatados pela força de um dinossauro que estava hibernando e agora desfila com a maior competência e malícia todos aqueles petardos que já fazem parte do inconsciente coletivo de todo roqueiro.

    Optando para tocar somente suas musicas mais significativas (se é que isso possa ser feito dentro de catálogo que já se tornou um dos pilares do Rock), o Led Zeppelin consegue fazer musicas como “Black Dog”, “Trampled Under Foot”, “The Songs Remains The Same” e “Misty Moutain Hop” parecerem novas de tão vibrantes e explosivas. Isso sem falar nas inéditas execuções ao vivo de “Ramble On” e “For Your Life” que deixam qualquer um de queixo caído de tão perfeitas e urgentes. As performances de Page, Plant, Jones e Jason Bonham (fazendo jus ao seu nome e ao seu DNA) não deixa em nenhum momento a desejar, até mesmo a já famosa “Jam” de Jimmy Page com o arco do violino em “Dazed And Confused” é apresentada com rigor e consegue acertar na medida certa para um solo que em outros tempos levaria até mais de meia hora de execução.

    Como não poderia faltar “Stairway to Heaven” é tocada com todo respeito e empolgação de Robert Plant (que em outros tempos na sua carreira solo ou no trabalho em dupla com Jimmy Page se negava a cantá-la por mais que ela fosse pedida pelo publico) e consegue reviver o espírito hippie e místico que a musica carrega nesse anos todos.

    “Kashmir” chega para encerrar a primeira parte do show e Jimmy Page usando na guitarra a sua famosa afinação “DADGAD” e com John Paul Jones fazendo nos teclados todo o arranjo de orquestra da musica, nos deixam viajando no tempo e espaço com uma da mais legais e misteriosa músicas da banda.

    A banda volta para mais dois Bis com as duas músicas mais representativas e pesadas capazes de fazer qualquer um levantar as mãos aos céus e agradeceram cada segundo de duração de cada uma, "Whole Lotta Love" e "Rock and Roll", que não deixam pedra sobre pedra ao final daquilo que podemos chamar de um dos maiores espetáculos da terra : um show do Led Zeppelin !!!!!!

    Se a banda vai ou não voltar a ativa para mais shows (ao que tudo indica não, já que Robert Plant reluta a aceitar essa possível volta), isso não mais importa o documento definitivo e espetacular do que podemos chamar de “O Último Show do Led Zeppelin” já existe e é esse DVD/CD “ Celebration Day “ !!!



    Resenha publicada em 01/03/2013





    Esta resenha foi lida 2322 vezes.

Classifique o álbum!



BUSCA POR ARTISTAS

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

BUSCA INTERNA

ANUNCIANTES



outras resenhas do mesmo artista


CDs


Livros