Resenha do Livro Rita Lee – Uma Autobiografia / RITA LEE

RITA LEE – UMA AUTOBIOGRAFIA title=

RITA LEE – UMA AUTOBIOGRAFIA
2016

Globo Editora
Autores: Rita Lee
Artista: RITA LEE
Por Rodrigo Paulo

Prestes a completar 70 anos de vida e com mais de 50 anos de carreira, da qual a mesma diz ter se aposentado, para lamento dos fãs, Rita Lee é rainha do rock nacional. Maior parte de sua trajetória foi acompanhada por décadas pelo grande público, incluindo inúmeros boatos que envolveram seu nome. Diante de tudo isso Rita Lee sobreviveu para contar suas memórias no livro “Rita Lee – Uma Autobiografia” que como o próprio título sugere foi escrito pela mãe do nosso rock com argumentos do jornalista Guilherme Samora, que completa as memórias de Rita usando as vezes do personagem Phantom. Guilherme é fã número um de Rita e a conhece muito bem, tendo registrado fatos dos quais a própria roqueira já havia esquecido.

No livro Rita fala de vários momentos de sua vida. Filha caçula de uma família de pai americano, mãe descendente de italianos, duas irmãs de sangue e mais suas irmãs adotivas Rita Lee conta como sua veia artística e fama de ovelha negra da família surgiu, mesmo não sendo tão parecida com a protagonista da clássica música lançada em parceria com o grupo Tutti-Frutti. É envolvente a forma como a também autora conta suas travessuras com as irmãs. Uma criança travessa e irreverente apesar de ter uma educação rígida e tradicional. Foi aluna da musicista clássica Magdalena Tagliaferro e durante e adolescência tomou gosto definitivo pela música, iniciando sua carreira nos grupos Tulio’s Trio, Teenage Sisters e posteriormente O’Seis, de onde saiu a parceria com os irmãos Arnaldo Baptista e Sergio Dias formando mais tarde o grupo Os Mutantes.

No livro, acompanhamos todas as fases musicais da carreira de Rita Lee. Tendo como foco sua parceria com Roberto de Carvalho, seu marido, e sua fase de maior repercussão com milhões de discos vendidos no Brasil e em vários outros países. Detalhes da fase dos Mutantes como o casamento com Arnaldo Baptista, os vários altos e baixos do grupo até o seu término de forma não muito vantajosa para a cantora também são relatados. Rita também fala de sua fase com o Tutti-Frutti que teve que ser interrompida devido a problemas judiciais com o nome do grupo. Também é narrado no livro fases complicadas de sua vida, como a estranha prisão por porte de maconha, a morte dos seus parentes, alguns acidentes promovidos por uso de álcool, entre outras coisas.

Um dos momentos mais engraçados do livro é sem dúvida o relato em que Rita fuma um baseado no banheiro do Palácio da Alvorada tendo Sônia Braga como testemunha durante um jantar tendo Bill e Hillary Clinton como convidados. Suas viagens ao exterior usando um colar de LSD e pegando “emprestado” um par de botas de uma loja de grife também arrancam boas risadas.

“Uma Autobiografia” é uma daqueles livros que são leitura obrigatória para qualquer tipo de leitor, seja ele roqueiro ou não. Rita Lee viveu e sobreviveu a uma das épocas mais ricas da música brasileira. Amiga de Gilberto Gil, Elis Regina e tantos outros artistas de sua geração, temos um livro de memórias com ótimas passagens de quem contribuiu muito para a nossa música. Um viva para Rita Lee!

Resenha Publicada em 12/06/2017






Esta resenha foi lida 247 vezes.



Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z



Saiba como anunciar no Galeria Musical

Outras Resenhas do Artista

CDs


Livros


Outras Resenhas