Resenha do Cd The Man Who / Travis

THE MAN WHO title=

THE MAN WHO
TRAVIS
1999


Por Pedro Martins

Quem disse que é preciso lançar mão de acordes truncados e metáforas obscuras para se chegar à um disco de rock que transponha a fronteira entre o showbiz e as sutilezas do fazer artístico? Aos militantes desse culto ao incompreensível, recomendo uma boa dose do Travis e seu irresistível The Man Who. Nada de conjecturas filosóficas ou ponderações metafísicas: apenas o sentimento desvelado e sincero do sonhador que segue incansável na trilha de seu coração, inquieto por dizer, ou ainda cantar, as peripécias e desventuras dessa inusitada brincadeira chamada viver. Trata-se de um álbum que, certamente, não vira o mundo de ponta a cabeça - nem o pretende, vale dizer - mas que simplesmente convida o ouvinte a cantar e deixar-se encantar na sublime experiência de seus pouco mais de quarenta e cinco minutos.

Produto ambíguo de seu tempo, The Man Who é resultado da convivência harmônica entre as aspirações do mundo moderno e as pegadas da tradição sessentista, celebrada na forma da canção, há muito esquecida por contínuas gerações de bandas alinhadas à ideia de que bonito é fazer tudo de cabeça para baixo. Contrariando essa inclinação ao indecifrável, temos um compêndio de curtas peças musicais cuidadosamente concebidas em cada um de seus elementos: versos dotados do mais pungente lirismo trovadoresco, pontes arrebatadoras como stairways to heaven e refrões cativantes no melhor estilo preconizado por Lennon e McCartney.

Enfim, o retorno ao qual me refiro não é apenas bem-vindo, mas também oportuno. A simplicidade se torna em elegância através da poesia e o espírito arredio do rock se alia à terna sinceridade dos trovadores, tornando sublime a mais singela das experiências humanas. A canção, revisitada, inicia uma busca daquilo que se perdeu com o tempo e que fazia do rock um gênero atracado em lugares comuns. Dessa forma, o olhar para trás a que me refiro não é, nem de longe, um retrocesso, mas um meio de retomar a trilha perdida ao longo dos anos.

Assim fui apresentado ao Travis, e não poderia haver melhor cartão de visitas. Aliás, fico me perguntando quem é o tal homem mencionado no título do álbum, para o caso de trombar com ele por aí e poder cumprimentá-lo pelo ótimo trabalho.

Resenha Publicada em 21/04/2010





Esta resenha foi lida 950 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z



LOJALOUCOSPORMUSICA - camisetas, miniaturas, chaveiros

Acesse: https://www.loucospormusica.com/

Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas