Resenha do Cd B – A Ba! / Marraio

B – A BA! title=

B – A BA!
MARRAIO
2014

INDEPENDENTE
Por Anderson Nascimento

Formada no ano de 2007 no simpático bairro Humaitá, no Rio de Janeiro, a banda “Marraio” surpreende a todos ao lançar o seu segundo álbum: um álbum duplo inédito e autoral. Se mesmo para uma banda do mainstream o projeto é sempre rotulado como, no mínimo, ousado, imagina isso em se tratando de uma banda independente.

O grupo apresenta no álbum vinte canções que mesclam uma série de influências que permeiam a cabeça de Matheus De Luca (voz, guitarra, violão, piano), Gustavo Abdalla (voz, baixo e piano), Lucas Sales (órgão, piano e vocais), Lucas Muller (guitarra e vocais) e Paulo Donato (bateria e percussão), entre essas influências estão principalmente o Rock brasileiro dos anos oitenta, embora brasilidades como o Samba-Rock, baião e Black music eventualmente apareçam ao longo do disco.

Curiosamente dividido em Lado B, como é chamado o primeiro disco, e Lado A, como é chamado o segundo, o disco parece seguir uma lógica de arranjo em suas canções. O primeiro CD tem uma vibe totalmente voltada para o Rock and Roll básico, lembrando diversos momentos do nosso próprio Rock nacional. “California”, por exemplo, remete ao início do chamado BrRock oitentista, lembrando bandas como a Blitz, enquanta em outros momentos a banda remete ao Gang 90, banda contemporânea da Blitz.

Entre os melhores momentos do primeiro disco estão os Rocks “Cantemicantes”, faixa que lembra demais a sonoridade feita pelo Barão Vermelho, e a explosiva “Rouxinol”. A balada reflexiva “Aos Vintes” também é destaque, mas “A Trova de Sílvio” é a música mais legal de todo o primeiro disco, a faixa faz lembrar as histórias contadas por Renato Russo na Legião Urbana.

Já o segundo CD apresenta uma sonoridade mais Pop e diversificada, representada por ritmos improváveis como o Baião que aparece na semirregional “Saudade”, que abre o disco, e se repete na faixa “Maravilha”. Ares de Black music tomam conta da suingada “Desejo”, enquanto o Samba-Rock aporta em “O Vai e Vem do Beija Flor”, faixa que se destaca também pela qualidade da composição. Mas o Rock puro também tem vez no disco dois e “Sexta-Feira 13”, que traz uma letra bem bacana que chega a lembrar Rocks Raulseixistas.

Entre as canções presentes nessa segunda parte do álbum está a balada “Diva”, talvez o melhor momento do disco, pois se trata de uma inventiva canção onde a banda encerra todos os elogios à misteriosa Diva com rimas relacionadas ao nome da personagem.

Ao longo de vinte canções, assunto é o que não falta para o grupo, mas as mulheres estão presentes em várias canções do disco. Diversos tipos delas estão no álbum: as taradas personagens de “Na Janela”, a ninfa das trevas em “Vampira”, ou ainda aquela mulher misteriosa que aparece e desaparece como em um passe de mágica, no caso de “Anônima”, isso sem falar na já citada Diva.

Com composições realizadas entre 2009 e 2011, e posterior gravação realizada em 2011, o segundo álbum da banda “Marraio” apresenta boa produção de Lello Guita, velho conhecido da banda, e exibe um grupo com muita vontade de colocar pra fora suas canções e exibir a força de sua criatividade para produzir canções tão boas, cheias de energia e de identidade.

Resenha Publicada em 11/06/2014





Esta resenha foi lida 726 vezes.



Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z



Saiba como anunciar no Galeria Musical

Outras Resenhas do Artista


Outras Resenhas