Resenha do Cd No Rewind / Orchestra, The

NO REWIND title=

NO REWIND
ORCHESTRA, THE
2001


Por Anderson Nascimento

A história da banda The Orchestra é longa. Inicia-se juntamente com o fim do grupo Electric Light Orchestra, em 1986, após o lançamento do fraco “Balance of Power”. À época, Jeff Lynne, líder do grupo, havia reduzido a banda que chegou a ter 9 membros, à um trio, formado por ele mesmo, o baterista Bev Bevan e o tecladista Richard Tandy.

No fim dos anos 80, Bev chamou Lynne para reunir novamente o ELO e gravar um novo disco, porém Jeff rejeitou o convite. Em 1990, o baterista Bev Bevan, recrutou alguns músicos, unidos à alguns ex-ELO, e montaram a Electric Light Orchestra Part 2. A banda lançou em sua carreira dois álbuns de estúdio e dois álbuns ao vivo, rodando diversos países levando ao público shows com músicas inéditas e clássicos da ELO original.

Paralelo a isso, o baixista Kelly Groucutt, e os violinistas Miki Kamiski e Hugh McDowell, todos da formação clássica do ELO, haviam formado a banda OrKestra, e lançado um bom álbum de inéditas em 1993.

Enquanto a ELO Part 2 excursionava pelo mundo, com participações de membros da banda OrKestra, causando uma aproximação maior entre os membros, uma briga na justiça acabou encurtando os planos da ELO Part 2, que foi impedida por Jeff de usar esse nome.

A briga se arrastou e a banda não voltou a lançar discos com músicas inéditas, restringindo-se a apresentações ao vivo. A medida que os anos iam passando, o número de músicas nos shows da ELO original, passaram a dominar o set list, o que fez com que Bev Bevan resolvesse encerrar as atividades da ELO Part 2. Com o fim do ELO Part 2, Jeff Lynne comprou a parte dos direitos do nome da Electric Light Orchestra que pertenciam ao baterista, impedindo qualquer uso do nome da antiga banda.

Foi aí que Kelly Groucutt tomou as rédeas do que restou da banda, reestruturando e renomeando a banda para The Orchestra.

Animados com a nova empreitada, a banda rapidamente entrou em estúdio para a gravação de um novo disco, que seria o primeiro de inéditas desde “Moment of Truth”, que fora lançado em 1994.

A banda então lança em 2001 de forma modesta e independente o disco “No Rewind”. E para grande surpresa de todos, o disco superou as expectativas dos fãs, trazendo dez músicas bem arranjadas e com uma sonoridade incrivelmente próxima do que fez o ELO nos anos 70.

Com exceção do cover sinfônico de “Twist and Shout”, em uma versão primorosa, o álbum é todo autoral. Com os membros da banda dividindo as composições e o vocal principal das músicas.

Dentre as faixas do álbum, “Over London Skies” teve até uma certa repercussão na Inglaterra, sendo considerada a música mais conhecida da banda. A música em questão é uma bela balada que poderia certamente fazer parte de “Face The Music” ou ainda “A New Wolrd Record”, discos do ELO de 1975 e 1976 respectivamente.

A faixa de abertura “Jewel and Johnny” de Parthenon Huxley , também lembra bastante o ELO original, em uma cadência que lembra “The Diary of Horace Wimp”, sendo até hoje um dos grandes momentos dos shows da banda.

O disco ainda tem grandes momentos como a progressiva “Can´t Wait to See You” em mais um bom momento de Parthenon Huxley no álbum e “If Only”, um baladão com cheiro de anos 90, abrilhantada pela linda voz de Eric Troyer.

O disco então encerra em grande estilo com uma linda música que torna o álbum ainda mais especial. “Before We Go”, única composição de Kelly Groucutt no álbum, que é uma balada no estilo oitentista, com uma pesada orquestra e côros magníficos acompanhando-a.

Depois disso o álbum foi lançado em 2005 na Argentina, o que deu novo fôlego para as apresentações, que muitas vezes aconteceram na América Latina, em países como a própria Argentina e Chile. Em 2006 o disco foi pela primeira vez relançado, o que ajudou a manter lotada a agenda de shows da banda.

“No Rewind” é um disco pouco conhecido do público em geral, difícil de ser encontrado, mas que precisa sair do anonimato e ser conhecido por todos os admiradores da boa música.

Resenha Publicada em 11/01/2009





Esta resenha foi lida 940 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista


Outras Resenhas