Resenha do Cd Galeria Independente 2010 / Vários - Independentes

GALERIA INDEPENDENTE 2010 title=

GALERIA INDEPENDENTE 2010
VÁRIOS - INDEPENDENTES
2010

INDEPENDENTE
Por Rafael Correa

Pode-se dizer, com segura certeza, que 2010 foi um ano gratificante para o cenário musical independente do Brasil. Festivais, shows, apresentações... De um modo ou de outro, de Manaus à Porto Alegre, em dias de chuva ou de Sol, a música em nenhum momento foi silenciada. Certamente, boa parte disto deve-se às bandas que, não importando onde e como, transformaram a batalha hercúlea da busca por seu lugar à luz em uma real possibilidade, e não em mero sonho. Mas, além disso, destaca-se também a iniciativa de diversas pessoas em diversos Estados que, por meios simples ou mais rebuscados, fizeram à vezes de “alto-falantes” das bandas que seguiam. E é justamente neste grupo que o site Galeria Musical, assim como tantos outros, se enquadram e, em decorrência disto, é que apresentamos com imenso prazer o CD Galeria Independente de 2010, que traz à baila as 12 bandas/artistas que se destacaram neste ano. Aproveitem ao máximo as canções e as mensagens incrustadas em cada verso, em cada refrão; aproveitam a música que vem de nossas paragens e atracam diretamente em nossos ouvidos. Aproveitem a arte que cresce a cada dia em nosso país. Simplesmente, meus caros, aproveitem.

Vamos às 12 faixas que compõem o CD Galeria Independete 2010!

1.“Ela Fala com Espíritos” – Gametas - RJ

Damos o start com o rock n’ roll pulsante dos Gametas, grupo carioca que, desde 2000, vem dando lições de como fazer um som forte sem perder o bom humor. Em 2010, apesar dos dez anos de estrada, a banda lançou seu primeiro álbum, recheado de bons momentos. Destes, destaca-se faticamente a faixa “Ela Fala com Espíritos”, que busca no cotidiano a exposição de uma relação explosiva entre “um homem e sua maior tentação”. “Ela Fala com Espíritos” merece ser ouvida ao mais alto tom. Longa vida ao rock carioca.

2.“Serenata” – Vera Loca - RS

A trupe de Vera Loca faz valer toda a tradição do sul brasileiro com o rock n roll de alto nível. “Serenata”, canção que integra “Vera Loca III”, de 2008, é uma irrefutável prova de toda essa tradição: a letra inteligente, calcada nos “contrapontos” da vida, mescla-se como o vinho na boca do ébrio: é como se não houvesse melhor combinação. A canção parece ter sido lapidada e pensada com um cuidado assombroso, daqueles em que a mais simples rima é calculada com o sorriso dos espíritos mais versáteis. Se no Brasil existem tesouros em forma de som, “Serenata” é um deles, e repousa sob o manto criativo do Rio Grande do Sul.

3.“Mucambo Cafundó” – Selvagens à Procura da Lei - CE

As mesmas qualidades do sul podem atravessar o tempo e espaço e atracar no nordeste do país. Essa parece ser a mensagem ínsita no som dos Selvagens à Procura da Lei, banda do Ceará que é dona de um som que, apesar de fazer várias referências, pode ser qualificado como “único”. De Strokes ao melhor que o punk tem a oferecer, SAPDL é uma prova que, da fusão, pode surgir o divino. É um deleite igualmente único viajar ao som de “Mucambo Cafundó”: forte, vibrante e simples. Assim como todo bom rock deve ser.

4.“Recomeçar” – BJACK - RS

Com a mesma velocidade que se trafega ao norte, pode-se voltar ao sul. Este é o recomeço oferecido pela banda gaúcha Bjack, responsável por uma interessante sonoridade, mais voltada ao pop que busca em diversos elementos a sua especialidade. De sintetizadores à um inesperado solo em tapping, “Recomeçar” vale a pena a atenta degustação, de seu início até o fim.

5.“Tá Tarde” – Bleffe - RJ

Apesar de contar com oito anos de luta, os cariocas do Bleffe remetem seu som para o rock melódico alicerçado no início da última década e reproduzido mais recentemente por bandas como Detonautas. A sonoridade criativa, que explora a mistura acústica com o peso comedido, transformasse no “pulo do gato” da banda. É um capricho que merece ser apreciado.

6.“A Trilha” - Viramundo - MG

Os mineiros do Viramundo são responsáveis por uma sonoridade das mais reflexivas vista nos dias de hoje. A banda soube dosar na medida certa a pulsação de cada instrumento: da bateria ao piano, tudo remete ao doce pensamento que apenas a mais fina arte é capaz de conduzir. “A Trilha” nos faz caminhar sob uma sombra mais tênue e calma, como se quisesse nos lembrar de algo que deixamos para trás em um certo momento da vida. Cabe a cada um de nós, ao som de suas canções, descobrir o que precisamos recuperar. Vale cada segundo de audição.

7.“Tão Linda” - Nuno Marques - RS

“Abram-se as nuvens: é hora do Sol brilhar.” Este é o aviso que nos vem à mente quando ouvimos as canções do gaúcho Nuno Marques, que busca nas influências do reggae e do pop a combinação perfeita da alegria. “Tão Linda” é prova disso: mesmo relatando o trivial, consegue contagiar quem ouve com uma onda de invejável otimisto. É a variedade do som gaúcho que se destaca no Brasil!

8.“Tudo que é Meu” – Márcio Biaso - RJ

O carioca Márcio Biaso é um músico experiente, tendo acompanhado figuras emblemáticas como Marcelo Bonfá. Talvez por isso, suas canções sejam recheadas com lições valorosas que o ouvinte capta a cada verso e a cada refrão. Seguindo o norte indicado pela MPB, Márcio descortina a arte que pulsa dentro da alma e a apresenta para o Sol, que a faz refletir em cada um de nós. Tudo segue uma métrica compreensivelmente fantástica: desde a trilha acústica do violão até a marcação da percussão e órgão, tudo parece estar “em seu devido lugar”, inclusive o ouvinte, que, de queixo caído, começa a cantarolar com Márcio o “derundê” mais saboroso da MPB. Os aplausos são mais que merecidos.

9.“Sol#1” – Trivoltz - GO

O Trivoltz é uma banda que faz o ouvinte se perder deliciosamente. Até os 16 primeiros segundo de “Sol#1”, parece que estamos a ouvir algo similar ao que o U2 geralmente oferece em seu som. Depois, diversos elementos fazem outra configuração que explode em um estouro indie de vigor invejável. A canção é cativante e abriga o ouvinte em lugar aconchegante. Devemos concordar com Trivoltz: bom mesmo é se perder, e isso com uma trilha sonora de primeira. Excelente registro.

10.“Jonas” – Pão de Hamburguer - PR

Se hoje Curitiba abandonou o cinza e possui cores no céu, é porque os artistas do Pão de Hamburguer lhe entregou de mão beijada paleta, tinta e pincel. Se a missão é tentar rotular o som da banda, desistam: como tudo o que vale a pena, o trabalho do grupo não pode ser resumido em uma palavra. Aprendemos isso com “Jonas”, nosso querido cicerone que, em questão de minutos, nos faz visitar paisagens tão distintas e vivas que parece querer nos transformar em personagens de um filme de Kubrick: imprevisíveis, intensos, amáveis e violentos. A sonoridade do Pão merece ser apreciada em completude, do verso ao anverso, de trás para frente. É a arte em seu sentido mais sublime: a sinceridade.

11.“Vivendo de Sonhos” – Cardióides - RJ

Os cariocas do Cardióides também são responsáveis por uma sonoridade completa, que parece fazer refletir 3 décadas em poucos minutos: as características do som dos anos 80 e 90 parecem trafegar em harmonia com a letra totalmente atual. É uma surpresa deliciosa, tal qual abrir um presente há tempos esperado: como crianças, descobrimos em “Vivendo de Sonhos” a surpresa da boa música. Uma experiência fantástica que vale a atenção.

12.“Cúmulo” – Andrea Amorim - PE

A coletânea Galeria Independente 2010 encerra-se com um épico. Talvez esta seja uma boa forma de retratar o que “Cúmulo”, canção da pernambucana Andrea Amorim que traduz com peso, força e classe uma mensagem incrivelmente interessante. A letra cavalga por recôncavos explorados e descobertos com um cuidado invejável. Do Sol, enxergamos a neve: é este contraditório que a voz de Andrea parece desenhar seu retrato em uma tela alva, à espera da pura arte. A recompensa é justamente esta: arte que, de tão simples, chega até a ser difícil de imaginá-la.

Estas doze bandas representam todo o potencial que permeia a cena independente do Brasil, tão rica e heterogênea como a própria população verde loura. Estes artistas asseveram a arte que é feita cotidianamente em nossas cidades e que raramente apreciamos com a devida atenção. Se, durante os dias e as noites, apostássemos mais no novo que na repetição, certamente o resultado seria diferente. Talvez esta seja a principal missão desta compilação: incentivar o descobrimento daquilo que reside sob nossos olhos, uma arte que, de tão óbvia, sequer percebemos na maioria das vezes. Como diria Ezequiel Neves, “sejamos urgentes”: é hora de fazer valer toda esta arte que pulsa em nossa terra. Ainda há tempo.

Baixe o CD

Ouça o CD on-line

Saiba mais sobre cada artista clicando em "Info".



Compilação e idealização: Anderson Nascimento

Agradecimentos ao Rafael Corrêa pelo belo texto e à todos os artistas que confiaram no trabalho do Galeria Musical ao longo do ano, obrigado pela divulgação, pelos elogiosos comentários e por liberarem suas canções para a nossa coletânea.

Resenha Publicada em 19/12/2010





Esta resenha foi lida 1001 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas