Resenha do Cd Victoria / Herbert Vianna

VICTORIA title=

VICTORIA
HERBERT VIANNA
2012

INDEPENDENTE
Por Valdir Junior

Este é o quarto álbum solo de Herbert Vianna, lançado no final de 2012 pelo selo Oi Musica,”Victoria” (é o primeiro nome de Lucy, esposa de Herbert, falecida em 2001), é um registro de músicas compostas por ele e lançadas anteriormente nas vozes de outros intérpretes, aqui regravadas em um formato voz, violão e guitarra pelo próprio autor.

Este álbum é quase uma síntese dos seus três álbuns anteriores, o primeiro e experimental “Ê Batumaré” (1992), o segundo e acústico “Santorini Blues” (1997) e o terceiro com forte direcionamento de pop/rock “O Som do Sim” (2000), que contava também com a participação de várias cantoras (Sandra de Sá, Nana Caymmi, Cássia Eller, entre outras) dividindo os vocais com Herbert.

Contando com a produção e participação de Chico Neves, que já havia trabalho com os Paralamas no disco “Hey Na Na” de 1998, em “Victoria” ele providenciou algumas intervenções sonoras sutis (teclados, sintetizador, sitar e efeitos diversos) e também sugeriu que Herbert adicionasse vocais de apoio (bem ao estilo Beach Boys) e outros violões.no acompanhamento, criando ao mesmo tempo uma atmosfera experimental-acustica-pop para o álbum.

Herbert Vianna nunca escondeu que seu trabalho principal é com os Paralamas, seus trabalhos solos são apêndices que realimentam a matriz, o que acaba afetando um pouco a condução desse CD. A Máxima “menos é mais e mais é menos” diz muito do que encontramos em “Victoria” após várias audições. Com um total de 20 músicas e todas com uma média de 2 minutos de duração, acabam ao final se tornando cansativo escutar o CD inteiro, devido ao formato muito parecidos dos arranjos e também pelo excesso de musicas (um CD com 10 ou até 12 canções cairiam muito bem), que dão a impressão que temos um “CD Demo” bem trabalhado nas mãos.

As músicas em si são todas muito boas, com todo o lirismo, sinceridade e sentimento que Herbert sempre coloca em suas músicas, mas uma coisa que perde sentido no álbum são as regravações das músicas “Eu Não Sei Nada De Você”, “Une Chanson Triste” do álbum “O Som do Sim” de Herbert; “Um Amor, Um Lugar” já gravada por Fernanda Abreu (com Herbert dividindo o vocal) e pelos Paralamas no “Acústico MTV” e “Blues da Garantia” que Herbert compôs e cantou no primeiro CD do pianista de Blues Ari Borger, em 2001. Se a intenção era gravar musicas de Herbert que foram cedidas a outros interpretes, aqui elas se tornam desnecessárias, o que ajuda a sensação cansativa de ouvir o CD.

Os pontos altos do CD são a belíssima interpretação para“Só Pra Te Mostrar”, música que Daniela Mercury havia gravado (com participação de Herbert), que aqui carrega uma carga emocional e confessional muito maior que a primeira versão. “Nada Por Mim” gravada antes por Marina Lima e depois o Kid Abelha, “Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim” e “Mulher Sem Nome” gravada antes pelo músico mineiro Eduardo Toledo em 1996 com participação de Herbert na guitarra.

Tirando os excessos do álbum, “Victoria” pode com um tempo servir de referencial para outros intérpretes, tanto na escolha das canções de Herbert, assim como da produção de Chico Neves. E ficamos no aguardo de um próximo álbum solo de Herbert Vianna, e que da próxima vez ele resolva fazer um CD como se a carreira solo dele tivesse a mesma importância que a dos Paralamas.


Resenha Publicada em 17/11/2013





Esta resenha foi lida 1353 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista


Outras Resenhas