Resenha do Cd Respiro / Scalene

RESPIRO title=

RESPIRO
SCALENE
2019

SLAP
Por Fabio Cavalcanti

Scalene é uma banda de rock alternativo formada em Brasília, capitaneada por Gustavo e Tomas Bertoni, e que fez alguma fama por ter se destacado no programa Superstar (Rede Globo). Em plenos “anos 2010’s”, essa migalha de visibilidade foi o bastante para o quarteto se tornar um dos poucos exemplares ‘mainstream’ do nosso maltratado gênero. E após três álbuns focados numa mistura elegante de rocks, baladas, peso e melancolia, o grupo entrega um disco que, para o bem e para o mal, é o mais ousado e introspectivo da sua carreira: “Respiro” (2019).

Aqui, o Scalene investe em uma sonoridade de tons meditativos, seja em voz, timbres, entrelaces acústicos e eletrônicos, e numa produção “moderninha” que joga as guitarras e baterias para escanteio. As letras consistem de devaneios existencialistas, descobertas de novas perspectivas de vida, e algumas pontuais críticas sociais – provando mais uma vez que o rock, em maior parte, continua avesso a ideologias retrógradas. Porém, essa mistura resulta em uma quantidade considerável de canções pouco inspiradas, além de certo sentimento letárgico...

“Vai Ver” e “Ilha no Céu” são ‘sambas-rock’ soníferos, com violões meio picaretas de bossa nova, e que caem no lugar-comum daquilo em que se transformou o rock nacional após o auge do Los Hermanos. “Tabuleiro” se perde na sua poesia labiríntica, e também distrai o ouvinte que poderia se deixar levar pelo suingue e cadência peculiares da canção. E a quase sinistra “Esse Berro” consegue trazer resultados cômicos, em especial por causa da participação de um Ney Matogrosso que parece recém-chegado de uma abdução alienígena.

Já “Ciclo Senil” é um petardo hipnotizante de tensão crescente, e que se beneficia também de uma espertíssima letra ácida. E “Furta-Cor” é um pop/rock com temperos R&B – intensificados pela boa participação vocal de Xênia França -, e que nos faz flutuar com o seu refrão etéreo e comovente. As lindas e singelas “Casa Aberta” e “Assombra” parecem algo que o Coldplay faria após passar um tempo no Brasil... E num extremo mais soturno, a dissonante e esquizofrênica “Percevejo” soa como um Radiohead rústico que resolveu compor dentro de um calabouço.

Beneficiado pela coragem de usar influências que vão da MPB ao trip hop, o álbum “Respiro” faz valer o seu próprio título: é um relaxamento em um novo ambiente sônico. Pena que, à parte de algumas boas faixas, o Scalene teve aqui seus primeiros momentos de “afogamento” em suas próprias pretensões. O talento do quarteto havia sido constante até então - desde os tempos em que suas influências iam de Muse a Queens Of The Stone Age -, e isso ainda pode nos render grandes discos no futuro... sejam estes de "stoner rock", brega erudito, ou arrocha progressivo.

Resenha Publicada em 27/08/2019





Esta resenha foi lida 191 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas