Resenha do Cd Mechanical Bull / Kings Of Leon

MECHANICAL BULL title=

MECHANICAL BULL
KINGS OF LEON
2013

SONY MUSIC
Por David Oaski

O Kings of Leon é um caso peculiar no mundo do rock. Formada em 2000, pelos irmãos Caleb Followill (vocais e guitarra), Nathan Followill (bateria), Jared Followill (baixo) e seu primo Matthew Followill (guitarra), em Nashville, interior dos Estados Unidos, eles apareceram como barbudos mal encarados que tocavam um som cru, com influências de country e Southern rock.

Nos primeiros lançamentos da banda, desde o EP “Holly Rover Novocaine”, lançado em 2002, passando pelo aclamado primeiro álbum “Youth And Young Manhood”, de 2003, a banda alcançou sucesso principalmente no Reino Unido que os abraçou como uma das maiores bandas de rock surgida nos últimos tempos.

Nos lançamentos seguintes a banda ia incluindo em seu som pouco a pouco uma diversidade maior de influências, tendo pinceladas de diversos estilos musicais em seus discos, como pop, reggae e rock de arena.

Essa evolução culminou com o sucesso mundial alcançado pela banda com seu best-seller “Only By The Night”, lançado em 2008, em que a estética da banda alcançou o auge do pop rock, somado a isso a mudança no visual dos integrantes, que passaram a se apresentar de forma mais asseada, com a barba feita, de modo que os barbudos indies estranhos passaram a ser galãs tocando nos principais festivais ao redor do mundo. Hits como “Sex On Fire” e, principalmente, “Use Somebody” fizeram com que a banda mudasse seu status no cenário musical mundial, alcançando grande reconhecimento internacional e finalmente passando a ser sucesso em sua terra natal, os Estados Unidos.

Mais experiente e com sua identidade aparentemente definida a banda está de volta em 2013, com seu sexto álbum, “Mechanical Bull” que mostra a evolução e maturidade alcançadas pela banda no decorrer desses 13 anos de existência. Neste álbum a banda junta o que tem de melhor das suas influências, formando um belo álbum, com destaque para as linhas de guitarra de Caleb e Matthew e pelos vocais de timbre marcante de Caleb, esses fatores aliados à ótima cozinha garantem fluidez e precisão a cada melodia do play.

O disco tem no mínimo quatro músicas totalmente acima da média, são elas: “Rock City”, com pegada country e ótimo solo de guitarra; a stoner “Don’t Matter” deixaria Josh Homme orgulhoso, com guitarras e teclado fazendo a cama para os vocais de Caleb, possui um excelente solo de guitarra; já “Temple” é um pop rock dos melhores; e “Family Tree” é comandada por uma belíssima linha de baixo, num country rock muito potente com ótimo refrão.

Não confunda, apesar dessas canções se sobressaírem o restante do álbum, mesmo um degrau abaixo segura bem a bronca, como no primeiro single “Supersoaker” que abre o disco com melodia acelerada e cantada de forma urgente, com características parecidas com “Coming Back Again”.

A balada melancólica e arrastada “Beautiful War” tem certa beleza, mas chega a ser um pouco cansativa, ao contrário de “Wait For Me”, que é mais direta. “Comeback Story” é uma semi balada country, com outro belo trabalho das guitarras e notável influência de gospel americano. A fábrica de baladas anda fértil pro lado do Kings of Leon, pois ainda há espaço para “Tonight”, balada cuja melodia vai ganhando força, com óbvios ares noturnos; “On Te Chin” é mais interessante, com melodia bem encaixada e ótimo clima do campo.

A versão deluxe do álbum ainda contém os pop radiofônicos (e melhores que algumas das faixas inclusas na versão simples) “Work On Me” e “Last Mile Home”.

Mais um bom lançamento para o farto ano de 2013, “Mechanical Bull”, apesar de alguns escorregões se junta a curiosa e interessante discografia do Kings of Leon, uma das poucas bandas que possuem o mérito de compor melodias trabalhadas, com ótimas guitarras e agradar o público além do mundo do rock, tocando em rádios e deixando adolescentes molhadas.

O rock perde cada vez mais espaço e relevância diante de outros estilos musicais e bandas como Kings of Leon e Nickelback, apesar de contestadas, ainda fazem as guitarras transgredirem as barreiras dos nichos cada vez menores reservados ao rock n’ roll.

Disponível também no blog: Ideologia do Rock

Resenha Publicada em 22/10/2013





Esta resenha foi lida 836 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas