New Document

Galeria Musical

Marcelo Jeneci / De Graça / Resenha de Álbum

    DE GRAÇAMARCELO JENECI
    SOM LIVRE
    2013
    Por Anderson Nascimento

    opinião dos leitores: 4.95 de um total de 22 votos




    Figura onipresente na música popular brasileira contemporânea, Marcelo Jeneci chega ao seu segundo disco firmando de vez o seu pé nesse cenário, e com a difícil responsabilidade de não deixar a peteca cair após o bem sucedido disco de estreia “Feito Pra Acabar” (2010).

    Mostrando desenvoltura artística, o disco passa por momentos dos mais diversificados, que inclui música regional, pop/Rock, psicodelia e MPB mais purista. A faixa de abertura mostra um pouco de cada coisa. “Alento” exibe uma incrível absorção de ritmos e nuances, resultado da fusão alternativa entre texturas variadas, resultando em um impacto imediato já no início do disco.

    “De Graça”, faixa seguinte, já descamba para o popular, com bases que lembram a música paraense, moda repentina que tem sido importada para rádios e TVs de todo o país, e que aqui é responsável por destacar a frase que delimita a obra “...o melhor da vida é de graça...”.

    A simplicidade e a valorização do cotidiano, presente ao longo de boa parte do disco é uma das principais características do artista. Faixas como “Temporal” e “O Melhor da Vida”, mostram a incrível habilidade que o artista possui em produzir melodias deliciosas, que te fazem sorrir só de ouvi-las, e lembra o quanto é bom estar vivo.

    Além dos backing vocals ao longo do disco, a cantora paulista Laura Lavieri tem importante participação em todo o disco, além de fazer vocal principal nas faixas “Tudo Bem, Tanto Faz” – que ganha lindo arranjo de orquestra por Eumir Deodato -, e “Pra Gente se Desprender”, belíssima balada onde também se destaca a orquestra de Deodato.

    Talvez a maior inovação desse novo álbum é o fato de ele possuir um flerte maior com o Pop/Rock, se compararmos com o lançamento anterior. Um desses casos é a canção “A Vida É Bélica”- uma das melhores músicas que ouvi em 2013 -, que traz psicodelia, força, e tons épicos, e não deixa mais qualquer dúvida sobre o talento desse artista. Curiosamente, “Nada a Ver” também é momento que beira ao Pop/Rock, e chega a lembrar o som do Skank feito na década passada.

    Com outros destaques como “Só Eu Sou Eu” e “Julieta”, canções que caracterizam bastante o som do artista, o álbum consegue ser tão competente quanto o anterior, e é daqueles discos difíceis de parar de ouvir.

    Produzido por Kassin, “De Graça” foi lançado pelo selo Slap da Som Livre e foi escolha do programa Natura Musical. Fazendo jus ao seu nome, “De Graça” pode ser ouvido na íntegra a partir do site oficial do artista.

    Resenha publicada em 15/12/2013






    Esta resenha foi lida 1974 vezes.



Classifique o álbum!




BUSCA POR ARTISTAS

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z

BUSCA INTERNA

ANIVERSARIANTES DE HOJE


ANUNCIANTES









New Document