Resenha do Cd Blak And Blu / Gary Clark Jr

BLAK AND BLU title=

BLAK AND BLU
GARY CLARK JR
2012

WARNER MUSIC
Por Valdir Junior

Nos últimos tempos no mundo da guitarra e por consequência da música, são poucos os músicos que conseguem ao mesmo tempo reverenciar o passado e propor ideias novas, inteligentes, ousadas e de bom gosto para a evolução tanto do seu instrumento quanto para os rumos que a música pode (e deve) seguir. No blues e na guitarra podemos citar 3 deles: Dereck Trucks, Joe Bonamassa e Gary Clark Jr.

O Americano Gary Clarck Jr. é natural do Austin, Texas, uma terra que entre muitos guitarristas revelou o fantástico Stevie Ray Vaughan e por onde Gary começou a sua carreira tocando em todos os bares possíveis e ganhando experiência tocando com veteranos da cena musical do Texas e criando um estilo de tocar com influências que vão do Rock, passando pelo Blues, Jazz, Soul, Country, até o Hip Hop.

Lançado em Outubro de 2012, “Blak and Blu” é o primeiro disco de Gary lançado por uma grande gravadora, anteriormente ele já havia lançado dois CDs (“110” em 2004 e “Worry No More” em 2008) pelo selo independente Hotwire Unlimited. Para esse CD, Gary usou algumas músicas que já havia gravado nos dois primeiros CDs, junto a um material mais recente.

Já no começo do CD com a agitada e contagiante “Ain't Messin 'Round” que conta com naipe de metais reforçando a batida e o riff de guitarra de Gary, deixando um clima meio Stones na época do “Sticky Fingers”, aliás nos shows, Gary emenda no final dessa música um pedaço de “Satisfaction”; “When My Train Pulls In” é um Blues bem relaxado com um riff hipnótico, pulsante e pesado de guitarra e onde Gary usa e abusa de escalas pentatonicas para solar com todo sentimento que pode em um dos solos de guitarra mais catárticos de todos os tempos.

Na faixa título “Black and Blu” Gary mostra uma nova abordagem para o Blues com uma batida e pegada com elementos de R&B, Hip Hop e é faixa onde a guitarra de Gary menos aparece, mas mesmo assim é uma das melhores faixas do álbum. “Bright Lights” é um blues desesperado e também uma homenagem e citação direta da musica “Bright Lights, Big City” de Jimmy Reed.

“Travis County” é um Rock and Roll ChuckBerryano com pitadas de John Lee Hooker e uma piano matador bem ao estilo do “Killer” Jerry Lee Lewis, que duelando com a guitarra de Gary, não deixam ninguém ficar parado e junto ao refrão não saem da cabeça de jeito nenhum. “The Life” é outra música que ao estilo do novo R&B americano e outra em que a guitarra fica em segundo plano, mas enche de sons e efeitos o arranjo da música.

“Glitter Ain't Gold (Jumpin' For Nothin')” feita em parceria com o guitarrista Doyle Bramhall II (grande colaborador e amigo de Eric Clapton) é um blues dançante e cheio de levadas de bateria e guitarra, que deixam a música muito legal e que pode muito bem ser um grande sucesso nas pistas de dança do mundo afora. “Numb” é um Blues Psicodélico bem ao estilo de Jimi Hendrix, cheio de distorção e um vocal com eco que aumenta mais o clima da música.

“Please Come Home” é uma balada típica dos anos 1950, com um belo solo de guitarra e um vocal típico das bandas vocais da época. “Things Are Changin” é uma balada blues bem swingada com um wah-wah ao fundo dando um clima funk. “Third Stone From The Sun/If You Love Me Like You Say começa com a música de Jimi Hendrix do album “Are You Experience?” servindo de introdução para outra viagem blueseira psicodélica e onde Gary usa a chave seletora dos captadores da guitarra para conseguir criar uma batida swingada de Hip Hop muito inventiva e interessante .

“You Saved Me” é outra balada bem bluesy com sua guitarra distorcida e batida R&B. Fechando o CD (existe um versão deluxe com mais 2 musicas bônus) “Next Door Neighbor Blues” é um blues bem rústico, gravado só com um microfone, Gary tocando seu violão dobro e uma percussão, num clima bem parecido com as lendárias gravações de Robert Johnson em 1936 num estúdio improvisado em um hotel em San Antonio, Texas.

Nos últimos meses Gary vem fazendo participações especiais em algumas apresentações dos Rolling Stones, Sheryl Crow, Alicia Keys e também se apresentando no Crossroads Guitar Festival de Eric Clapton (ele também abriu os shows da turnê de Clapton no Brasil em 2012), o que mostra que esse rapaz de 29 anos tem todo respeito desse pessoal.

“Blac and Blu” é um dos melhores CDs lançados nos últimos tempos, independente de estilo vai agradar todos aqueles que gostam de boa música, Gary Clarck Jr tem todo potencial para continuar nos surpreendendo cada vez mais, mostrando que para fazer uma musica moderna não é necessário seguir modismo disto ou daquilo, é só fazer com vontade, coração e com o olho no futuro sem se esquecer de onde veio.

Resenha Publicada em 26/05/2013





Esta resenha foi lida 1163 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas