Resenha do Cd How To Dismantle An Atomic Bomb / U2

How To Dismantle An Atomic Bomb title=

How To Dismantle An Atomic Bomb
U2
2004


Por Anderson Nascimento

A propaganda esmagadora da gravadora sobre o novo álbum do U2, deixou a todos com a expectativa de um álbum grandioso, falaram muito até em "volta às raízes". Talvez esta questão possa ter sido levantado, pelo fato do álbum ter sido produzido pelo mesmo produtor dos três primeiros álbuns da banda.

Tudo bem, esse papo de volta às raízes na verdade não importa muito, até porque esse chavão soa um tanto quanto ridículo, pois mesmo que a banda fizesse um Rock New Wave em pleno ano de 2004, esse Rock teria certamente a cara dos anos atuais. Falar em influência, tudo bem, mas volta às raízes não combina com uma banda tão importante (talvez a mais importante nos dias de hoje) e com anos de história como o U2.

Na primeira ouvida fiquei muito surpreso com o álbum. Pois ainda povoam a minha mente os ecos do excelente disco anterior "All That You Can Leave Behind", um disco fácil, cheio de hits grudentos e que faz o ouvinte gostar do álbum já na primeira audição. Esse portanto foi o susto que levei, músicas difíceis, poucos refrões, clima pesado, apesar de músicas não tão pesadas assim.

Este aliás é um ponto que também assusta o ouvinte que é recebido com o primeiro single do disco "Vertigo", uma verdadeira bomba em termos de peso e Rock. E o disco segue sem repetir este momento da abertura, causando a impressão de um disco xoxo.

O imperialismo americano no Iraque e a reeleição de Bush, tiveram impacto em todas as pessoas (de bom senso) e muito na área das artes, como cinema e música em geral. Esse impacto gerou discos políticos de artistas como REM ("Around The Sun"), Green Day ("American Idiot"), Engenheiros do Hawaii ("Dançando no Campo Minado") e agora o próprio disco novo do U2. Discos que no caso do U2 e do REM, soaram muito mais políticos que Rock’n’Roll, talvez pelo peso das letras e do clima tenso que os envolve.

Mas falando agora positivamente do disco, o toque de genialidade do U2 aparece justamente nas faixas menos roqueiras do disco, algumas músicas são hits em potencial e, certamente já entraram para o hall dos clássicos da banda. É o caso da segunda faixa "Miracle Drug", linda, tem um crescendo maravilhoso e envolvente. Nesse nível também está a baladinha "Sometimes You Can’t Make It On Your Own", com aquele tradicional falsete do Bono Vox.

O disco segue com boas canções como "Love and Peace Or Else", um Rock arrastado, cheio de efeitos, "City of Blinding Lights", que chega a lembrar a fase 80’s da banda, e a cabeça e romântica "A Man and Woman".

O melhor momento no entanto, está penúltima faixa "Original of The Species", clássico absoluto, grandiosa em todos os aspectos, a letra, bastante original, fala sobre a pessoa ser o que ela é em qualquer lugar, e certamente já é uma das melhores músicas do U2.

O disco encerra com "Yahweh", uma música que tem bem a cara da banda dos anos 90 pra cá.

No fim, após algumas audições, o disco acaba sendo uma boa aquisição para a discoteca de qualquer um que curte a música dos Irlandeses.

Resenha Publicada em 07/12/2004





Esta resenha foi lida 1165 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


DVDs


Outras Resenhas