Resenha do Cd As Voltas Que O Mundo Dá / Biquíni Cavadão

AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ title=

AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ
BIQUÍNI CAVADÃO
2017

COQUEIRO VERDE
Por Anderson Nascimento

No início de 2017 a banda carioca Biquíni Cavadão soltou nas plataformas de streaming o seu novo disco “As Voltas Que O Mundo Dá”, 16º álbum da banda. O disco vem despertando curiosidade desde que foi anunciado que a produção do disco seria feita pela veterano Liminha.

Trilhando caminho principalmente por temas como o amor e a saudade, o disco abre com “Soltos Pelo Ar”, faixa que carrega um instrumental incrível, repleta de texturas saídas dos anos 1980. Enquanto “Arco-Íris” é uma baladinha que beira à psicodelia, a ótima “Um Rio Sempre Beija o Mar”, primeiro single do disco, tem arquétipo que remete ao som negro dos anos 1970, apresentando letra muito bonita e grande interpretação de Bruno Gouveia.

Embora o disco não seja formado apenas por grandes canções, o álbum tem boas canções como a inventiva “Descobrimentos” e “Nossa Diferença de Idade – Say You Love Me”, popzinha interessante que, tal como o nome entrega, raciocina sobre o amor independente da diferença de idade. Há também momentos muito bons ao longo do disco e, nesse caso, estão canções como as já citadas “Soltos Pelo Ar” e “Um Rio Sempre Beija o Mar”, além de “A Saudade é o Museu do Amor”, faixa bastante interessante e uma das mais legais do disco.

Musicalmente o disco navega por baladas em boa parte de suas 12 canções, casos, por exemplo, de “Você Marcou” e da boa “Para Sempre, Seu Maior Amor”. No quesito Rock, o álbum traz poucas opções, mas o faz muito bem no contrastante Rock “Coragem”, e na sua sequência “A Saudade é o Museu do Amor”.

Gravado entre maio e agosto do ano passado, no lendário estúdio carioca “Nas Nuvens”, “As Voltas Que o Mundo Dá”, revela em sua produção o peso da mão de Liminha agregando também um leve toque eletrônico, que formam uma sonoridade inédita em álbuns do Biquíni. Em termos de repertório, o disco está abaixo de seu antecessor “Roda Gigante” (2013), porém em termos de coesão, esse disco está à frente do mesmo. No saldo geral a banda não conseguiu lançar um disco perfeito, mas ainda assim temos um bom disco, digno da obra da banda.

Resenha Publicada em 21/03/2017





Esta resenha foi lida 1277 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas