Resenha do Cd The Ballad Album / Nazareth

THE BALLAD ALBUM title=

THE BALLAD ALBUM
NAZARETH
1985

POLYGRAM
Por Anderson Nascimento

Esta bela compilação de baladas do grupo Escocês Nazareth é bastante curiosa. Em primeiro lugar, trata-se de um disco que ganhou a sua primeira versão em 1985, lançado por um selo alemão chamado Vertigo. Muita gente, porém, confunde esse álbum com outras coletâneas do grupo que trazem “Ballads” no nome, tal qual o disco “The Ballads”, outro lançamento que possui a mesma concepção, ou seja, compilar as baladas gravadas pelo Nazareth.

Enquanto o álbum “The Ballads” foi lançado em CD no ano de 1994, “The Ballad Album” é bem mais charmoso, já que além de ter ganhado uma linda capa, foi lançado originalmente em vinil. O mesmo disco também chegou a sair no Brasil em 1985 pela Polygram, mas com uma tenebrosa capa, que retratava o nome da banda em letras garrafais em um fundo azul escuro. Quatro anos depois, em 1989, o disco foi relançado em CD e ganhou duas faixas bônus: “A Veteran Song” (Cinema, 1986) e uma versão ao vivo de “Love Hurts” (‘Snaz, 1981).

Outra curiosidade é o fato do disco se basear no repertório considerado recente à época do lançamento dessa coletânea. Para se ter uma ideia, apenas duas faixas foram pinçadas de discos dos anos 70: “Love Hurts” (Hair of The Dog, 1975) e “Sunshine” (Rampant, 1974). Pouco para uma banda que gravou dez álbuns nessa década.

Obviamente que “Love Hurts” não podia faltar no disco. A canção do compositor Boudleaux Bryant fora gravada anteriormente por diversos artistas como The Everly Brothers, Roy Orbison e Jim Capaldi, mas foi a gravação do Nazareth (que ousou alterar um pequeno trecho da letra) que se tornou a versão definitiva e, por ventura, o maior sucesso da banda.

Todas as outras oito faixas da versão original do disco trazem canções dos 80’s. Entre elas, algumas canções muito bem sucedidas como “Where Are You Now”, single do álbum “Sound Elixir” (1983) e “Dream On” (2 X S, 1982) , outro famoso clássico da banda. O disco “2 X S”, aliás, cedeu outras duas gravações para a coleção: a agressivamente doce “Games” e o single “Love Leads To Madness”, faixa que pouco tem a ver com o próprio Nazareth, mas encarna perfeitamente a levada dos anos oitenta.

O álbum “The Catch” (1984) apresenta duas faixas, a primeira é o cover dos Stones “Ruby Tuesday”, que ganhou uma versão popzona, e “Moondance”. Já do álbum “The Fool Circle” (1981) foi pinçado o belo single “Moonlight Eyes”, enquanto do “Malice in Wonderland” (1980) saiu a faixa “Heart’s Grown Cold”.

Muita gente não curte coletâneas, mas sempre deveria haver um lugarzinho reservado nas melhores coleções para títulos tão especiais como esse. É só dá o play e curtir!

Resenha Publicada em 15/10/2014





Esta resenha foi lida 1772 vezes.




Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas