Resenha do Cd Everything Will Be Alright In The End / Weezer

EVERYTHING WILL BE ALRIGHT IN THE END title=

EVERYTHING WILL BE ALRIGHT IN THE END
WEEZER
2014

UNIVERSAL MUSIC
Por Fabio Cavalcanti

Uma das coisas mais bacanas no som do Weezer, em seus quatro primeiros álbuns, era a inconfundível aura 'nerd' que permeava suas canções, além do uso (até então inusitado) de guitarras pesadas em cima de melodias e letras "fofinhas" - algo que viria a influenciar até o estilo 'emo', vale ressaltar. Sendo assim, a cada novo álbum lançado pelo quarteto norte-americano, apenas uma pergunta nos vinha à cabeça: "Será que isso soa como Weezer?".

Todos nós sabemos da importância das mudanças de sonoridade ao longo das discografias de bandas de rock, mas a qualidade medíocre dos álbuns mais ousados do Weezer - "Make Believe" (2005) e "Red Album" (2008) - apenas prova que, no caso dos caras em questão, ninguém precisa de grandes mudanças. O nono álbum do grupo, curiosamente intitulado "Everything Will Be Alright in the End" (2014), nos mostra o Weezer que gostamos de escutar.

Acima de qualquer frescura, a velha fórmula de guitarras altas, bateria firme, solos sutis, letras propositalmente ingênuas, e espírito jovem estão de volta em grande estilo! Podemos notar o conforto de Rivers Cuomo e sua "turma colegial já quarentona" ao executar novos hinos do indie rock, como as envolventes "Ain't Got Nobody" e "Lonely Girl", canções que nos levam a um hipotético baile em que todos dançam ao som do rock 'n' roll (sim, igual ao clipe de "Buddy Holly"!).

E o que falar do excelente single cadenciado "Back to the Shack", com sua descarada homenagem à simplicidade de uma boa música? E a diversão não acaba por aqui, pois "The British Are Coming" e "Da Vinci" não geram mais do que uma emoção completa e quase juvenil, com suas "curvas melancólicas" que lembram o melhor daquilo que Rivers Cuomo e sua trupe fizeram em seu glorioso passado.

Faixas como "Eulogy for a Rock Band" e "Cleopatra" trazem algumas pequenas surpresas melódicas e estruturais, mas sem fugir da marca registrada do grupo. E o que falar do ritmo solto e espírito 'glam rock' de "I've Had It Up to Here", além das brincadeiras pseudo-épicas presentes na trilogia conclusiva formada pelas faixas "I. The Waste Land", "II. Anonymous" e "III. Return to Ithaka"? Diversão garantida em todos os sentidos, meus caros!

Com ótimas músicas, ausência de pontos fracos, e uma produção limpa e refinadíssima, o Weezer provou que a evolução musical se resume apenas na entrega de trabalhos de qualidade. E se me permitem o devaneio, não quero pensar que "tudo ficará bem no fim", como o título do álbum sugere. Prefiro pensar que "tudo ficará bem neste inspirado recomeço". E que venham novas coleções de pérolas sonoras desses pequenos grandes 'nerds' no futuro!

---
Publicado também no blog do autor Rock em Análise.

Resenha Publicada em 27/10/2014





Esta resenha foi lida 560 vezes.



Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z



Saiba como anunciar no Galeria Musical

Outras Resenhas do Artista

CDs


Outras Resenhas