Discografia Comentada - Steve Hackett

STEVE HACKETT title=

STEVE HACKETT

Pimlico - Inglaterra
Desde: 1970
Site oficial: http://www.SteveHackett.com/

Descrição do Artista
Steve Hackett é o tipo de guitarrista que agrada qualquer pessoa que goste de um estilo refinado e elegante de se tocar guitarra. Muito mais do que lembrar e, principalmente conhecê-lo como o ex-guitarrista do Genesis, acho que todos deveriam tentar se aprofundar na obra solo do músico que construiu uma carreira de trabalhos de extrema qualidade e versatilidade, nunca se prendendo a rótulos, mas sempre soando de forma única, não importando com qual gênero esteja flertando, se com o jazz-rock, pop (talvez o único estilo que de fato não soava muito legal com ele), rock progressivo, música brasileira, blues, violão clássico ou música erudita. O que acontece de fato é que, pra Steve Hackett pouco importa qual seja o campo musical que esteja pisando, no fim ele sempre vai fazer brotar música de extremo bom gosto acima dele.

Esta discografia foi acessada 2312 vezes.


Álbuns
    VOYAGE OF THE ACOLYTE
    1975
    Por Tiago Meneses




    Álbum de estreia da carreira solo de Steve Hackett, mesmo cerca de 35 anos e mais de 15 álbuns de estúdio lançados depois, continua a fazer parte do top 3 de 9 entre 10 fãs do guitarrista. Também pudera, o álbum faz jus a toda essa adoração sendo um dos grandes lançamentos do Rock Progressivo daquele ano de 1975, disco de sonoridade bastante complexa tocada por um guitarrista que embora influenciado pelos trabalhos de sua ainda atual banda, também soube mostrar uma visão particular de sua proposta sonora de forma bastante criativa e melodiosa. Tem um dos finais de álbum (parte final de Shadow of the Hierophante) que considero um dos mais arrepiantes que já ouvi.

    PLEASE DONT TOUCH
    1978
    Por Tiago Meneses




    Mais uma vez um grande time de músicos o acompanhando, entre eles seu irmão John Hackett, Chester Thompson, Randy Crawford, Richie Havens e Steve Walsh, esse último por sinal faz o vocal na faixa do álbum que é uma homenagem a Agatha Christie, “Carry On Up The Vicarage”, e falando em homenagens, essa não foi a única, o guitarrista também homenageou sua esposa Kim na faixa de mesmo nome. Nessa segunda experiência solo, novamente se mostrou bastante inspirado e fez um trabalho que facilmente entra no rol de obrigatórios entre os fãs do músico.

    SPECTRAL MORNINGS
    1979
    Por Tiago Meneses




    Em sua terceira empreitada solo, Steve Hackett conseguiu fazer aquele que para muitos, inclusive pra esse que vos escreve, é o único álbum que bate de frente, digamos assim, com “Voyage Of The Acolyte”. Uma verdadeira joia. “Spectral Mornings” é daqueles álbuns que podemos dizer sem medo que é ótimo do começo ao fim. E já que citei as duas extremidades do disco, são lá mesmo que se encontram seus maiores destaques “Every Day” e “Spectral Mornings”, na primeira, até mesmo a habilidade de Hackett que nunca foi destaque nenhum na sua carreira como é o caso da vocal, ele soube fazer de forma muito bem feita e digna de elogio, alem de que a música conta com um dos solos de guitarra mais belos da carreira do músico. Já na segunda as coisas não deixam nada a desejar também “Spectral Mornings” é uma espécie de coletânea das características do músico em uma única faixa, ou seja, encontra-se bela melodia em uma forma extremamente pessoal de tocar onde até o mais simples dos acordes soam diferente devido a sua maneira emotiva de expressar com a guitarra.

    DEFECTOR
    1980
    Por Tiago Meneses




    Devo imaginar que pra os que vinham acompanhando a carreira dele na época o otimismo estava em alta, pois o músico vinha de um trabalho simplesmente incrível. Pois bem, “Defector” não está no nível de seu antecessor, mas sem dúvida alguma tem ótimos momentos, como por exemplo, a faixa de abertura, “The Steppes”, um dos destaques do álbum e também da própria carreira de Hackett, ou então, a faixa “The Toast”, que conta uma linda flauta sobre uma não menos elogiável cama melódica. Através desse álbum, Steve Hackett encerra uma fase iluminada de sua carreira. O que se vê adiante muitas vezes foge bastante do que ele fez nos seus quatro primeiros álbuns, mas não entenda isso como queda de qualidade da sonoridade dos discos, em alguns momentos mesmo que com uma roupagem diferente, existem álbuns com grandes passagens também, embora o próximo álbum de fato, não seja nada agradável.

    THE CURED
    1981
    Por Tiago Meneses




    Começando a década aparentemente disposto a dar uma renovada em seu som, Steve Hackett fez isso até mesmo com os músicos que o acompanham, da banda que havia gravado os dois discos anteriores apenas permaneceram o flautista e tecladista, Joh Hackett e o tecladista Nick Magnus. Também começa a década lançando mais um álbum, em 1981 sai o quinto disco do músico intitulado “The Cured”. Como dito anteriormente, o som que as pessoas irão se deparar de agora em diante não será o mesmo. Em “The Cured” ainda temos a veia de progressivo, mas em bem menor escala, dando boa parte do seu espaço a uma sonoridade mais voltada a um pop bastante decepcionante, ainda mais pra algo em termos de Hackett. Logo de cara com a faixa de abertura “Hope I Don’t Wake Up” se nota que será um álbum difícil de engolir, com até mesmo as guitarras não soando bem, talvez pela cama brega armada pelos teclados do trabalho, “The Cured” é uma aula de como não começar uma nova fase da carreira de um músico. Nem a capa salva.

    HIGHLY STRUNG
    1982
    Por Tiago Meneses




    Longe de ser um álbum de qualidade inquestionável, mas sem sombra de dúvida merece elogios em alguns momentos, como nas faixas “Camino Royale”, “Always Somewhere Else” e “Group Therapy”. Steve Hackett aqui continua a soar com a cara da música pop que reinou no começo dos anos 80, mas ao menos, dessa vez também apresenta uma grande influência do jazz-rock. Aqui o guitarrista cantou em todas as faixas não instrumentais, mas soando bem diferente da forma que havia feito nos quatro primeiros álbuns da carreira, o que pode causar certa estranheza a primeira audição, mas que não compromete o acabamento final.

    BAY OF KINGS
    1983
    Por Tiago Meneses




    Foi lançado também em 1983 ao lado apenas de John Hackett que ficou com as partes de flauta e Nick Magnus responsável pelos teclados. Aqui a ideia foi em produzir um disco acústico, o resultado foi bastante satisfatório e belo. Nesse álbum o músico demonstra todo seu amor pelo violão de cordas de nylon, paixão essa que começou no instante em que ele viu o espanhol Andrés Segovia tocar obras de Bach no violão. Interessante que além das músicas contidas no álbum, Steve HAckett também optou por fazer duas releituras de composições suas, de “Kim”, do álbum “Please Don’t Touch” e de “Horizons”, música da sua época de Genesis, pertencente ao álbum “Foxtrot”. Com certeza lançar “Bay of Kings” após dois discos tão diferentes de sua carreira, serviu pra mostrar que aquele excelente músico da segunda metade da década de 70 não estava entrando em decadência e que ainda tinha muita lenha pra queimar.

    TILL WE HAVE FACES
    1984
    Por Tiago Meneses




    Após um ano literalmente de altos e baixos, com o lançamento de dois álbuns de sonoridades bem distintas, Steve Hackett entra em estúdio mais uma vez, agora pra gravar aquele que é conhecido como o seu “álbum brasileiro”, trabalho que teve como resultado o disco “Till We Have Faces”, provavelmente o disco mais “8 ou 80” do guitarrista. Muitas vezes o álbum é puro experimentalismo e fusão de ritmos, em certos pontos o que se ouve é uma levada jazzística e dois bateristas tocando simultaneamente, caso da faixa “Rio Connection”. Em, “Matilda Smith-Williams Home For The Aged” a banda se mostrou bastante influenciada pelos ritmos brasileiros, com certeza é a faixa mais sambista do trabalho. Também existem influências no baião, mas nem sempre se encontra ritmos brasileiros nas músicas do álbum, em “The Gulf”, por exemplo, não tem nada. Com certeza foi um álbum que agradou bastante a fãs no Brasil, mas nunca foi visto com bons olhos fora daqui.

    MOMENTUM
    1988
    Por Tiago Meneses




    Lançado em 1988, mais uma vez a ideia aqui foi de ser um álbum acústico, mas ao invés de um trio como em “Bay of King”, o que se vê aqui é uma dupla formada pelos irmãos John e Steve. Nunca entendi porque desse ser o mais esquecido álbum do músico álbum nesse formato, já que a sua qualidade não deixa a desejar a nenhum dos outros lançados por ele. Mesmo o trabalho sendo de ótima qualidade e bem homogêneo, destaco as faixas “Cavalcanti” e “The Sleeping Sea” entre as demais. Steve Hackett mais uma vez brindou a todos com um lindo disco tocando de forma primorosa. Após “Momentum”, o guitarrista decide ficar sem lançar um álbum de inéditas por 5 anos.

    GUITAR NOIR
    1993
    Por Tiago Meneses




    Sonoridade bastante atmosférica, com uma boa mistura de guitarra acústica e elétrica. A versão americana do álbum tem um atrativo a mais, e que atrativo, na ultima faixa do disco, “Cassandra”, o guitarrista tem como seu parceiro ninguém menos que Brian May, pena que a música tem um solo curto, mas que nos faz pensar que ótimo seria poder ouvir os dois tocando junto em um álbum inteiro. Além disso, traz as ótimas músicas como “Sierra Quemada”, “Take These Pearls” e “Little America” mostram mais uma vez toda a competência, sensibilidade e capacidade do músico em criar canções cativantes.

    BLUES WITH THE FEELING
    1994
    Por Tiago Meneses




    Aqui o flerte maior do guitarrista é com o blues, algo que não havia feito até então, ao menos não com tanta intensidade como dessa vez. O músico fez um bom trabalho, mesmo recebendo a crítica de alguns fãs mais inveterados de progressivo. É inegável que Steve Hackett sabe se comportar de forma muito competente dentro do Blues, mesmo porque o mesmo nos anos 60 tinha como um de seus passatempos frequentar clubes pra poder ver seus ídolos de blues como Eric Clapton e John Mayall, por exemplo. Músicas como “Love Of Another Kind”, “Born In Chicago” e “Blues With a Feeling” mostram um Steve Hackett seguro e tocando com bastante feeling, algo que é essencial no gênero. O trabalho é bastante recomendado a todos que admiram um bom blues e também Steve Hackett, mas deixo uma observação, não adianta ser fã apenas de um dos dois, pois assim as coisas podem não soarem bem

    WATCHER OF THE SKIES - GENESIS REVISITED
    1995
    Por Tiago Meneses




    Quem sabe devido a uma saudade do Genesis, Steve HAckett decide lançar o álbum “Watcher of The Skies - Genesis Revisited”. Um desses discos que qualquer fã deve ter na sua coleção. Watcher of the Skies, foi uma das que mais ficou parecida com a as versão original, mas agora com Steve Hackett fazendo a parte vocal e Bill Bruford na bateria. Também se encontram no álbum faixas como, "Dance On A Volcano", " The Waiting Room”, " For Absent Friends" além claro, da inesquecível “Firth of Fifth”, que por sinal ficou linda, com vocal de John Weton e bateria de Bruford, por mais que tenham dado uma nova roupagem a seu arranjo, ele continuou bastante encantador, além do solo de guitarra que dispensa comentários, considerado um dos mais belos da carreira do músico.

    A MIDSUMMER NIGHTS DREAM
    1997
    Por Tiago Meneses




    Muito bem acompanhado pela Royal Philharmonic Orchestra, como o próprio nome sugere trata-se de um álbum baseado na obra de Sheakspeare, “Sonho de uma Noite de Verão” escrita mais ou menos entre 1550 e 1555. Novamente, não se trata de um álbum de progressivo e, sim de um trabalho mais voltado ao clássico. A quem o veja como um álbum repetitivo, não o vejo dessa maneira, aqui o guitarrista soube se expressar de forma bastante criativa em meio uma história com voltas e reviravoltas, horas passagens lentas, horas passagens mais rápidas sempre muito bem acompanhado da Orquestra. Mas que fique claro que o álbum mesmo sendo orquestral, foi feito voltado pra guitarra, e nem sempre a orquestra terá presença garantida.

    DARKTOWN
    1999
    Por Tiago Meneses




    De uma qualidade inquestionável e sonoridade bastante melancólica, triste e de um clima sombrio, ou seja, todas as características marcantes de Steve Hackett estão presentes, só que dessa vez, sobre uma camada mais dark. Não por menos que a na época a revista argentina Mellotron, ótima revista por sinal, o indicou como um dos melhores álbuns daquele ano. Algumas faixas merecem certo destaque nesse trebalho, tais como "Omega Metallicus", "Darktown", "Twice Around The Sun" essa com um solo simplesmente hipnotizante e, "In Memorian". Sem dúvida alguma, Steve Hackett não poderia encerrar a sua contribuição musical na década de 90 de melhor maneira. Mostrando que os anos 2000 poderiam ser ainda de muito boa música.

    SKETCHES OF SATIE
    2000
    Por Tiago Meneses




    Mal as pessoas puderam digerir “Darktown”, em 2000 o guitarrista já aparece junto de seu irmão em mais um álbum, que trata-se de uma releitura para flauta e guitarra clássica, das peças mais conhecidas de Erik Satie, um álbum de uma interessante atmosfera e com as características que Steve Hackett costuma impor nesses tipos de trabalho e que qualquer um que conheça o músico nesses já vários álbuns em sua carreira até então já sabem quais são.

    TO WATCH THE STORMS
    2003
    Por Tiago Meneses




    Seguindo os passos de “Darktown”(entenda-se passos no sentido de também ser um álbum de enorme qualidade), mostra novamente um guitarrista com a inspiração que lhe já é característica. O álbum pode ser uma espécie de “Voyage Of The Acolyte” dos anos 2000, Os dois tem as suas semelhanças, em ambos os casos pode-se notar a capacidade do músico de mesclar uma música mais agressiva com o progressivo sinfônico, por exemplo, além de também possuírem um clima de mistério em suas sonoridades. Os destaques que coloco desse excelente álbum são “The Devil Is An Englishman”, “Frozen Statues” e “Brand New”. Assim como aconteceu com “Darktown” em 1999, com certeza “To Watch the Storms” pode figurar facilmente entre os melhores álbuns de rock progressivo daquele ano.

    METAMORPHEUS
    2005
    Por Tiago Meneses




    Esse trabalho tem como inspiração a lenda de Orfeu e a sua passagem pelo submundo. Acompanhado de uma orquestração muito boa, o músico soube fazer um álbum que pode agradar tanto aos que são mais acostumados a sonoridades clássicas, como aqueles não muito familiarizados com esse tipo de som. Como a abordagem do álbum é mais voltada ao clássico, Steve Hackett usa de forma primorosa mais uma vez o violão de nylon em composições bastante inspiradoras. “Metamorpheus” é indicado a qualquer um que queira se deliciar com uma boa música clássica através de instrumentos acústicos e strings.

    WILD ORCHIDS
    2006
    Por Tiago Meneses




    O álbum é um verdadeiro “soco na cara” de quem ainda duvidava do poder de composição do músico e, sem sombra de dúvidas, um trabalho que nasceu com potencial de clássico. Só deixar claro que também foi lançado uma edição especial do CD, com o preço não muito diferente da normal, onde contem quatro faixas extras e, é sobre essa edição que estou falando aqui. Músicas como “Transylvanian Express”, “Set Your Compass" ou “Waters Of The Wild” podem figurar em qualquer um dos melhores álbuns do guitarrista e fazer o seu papel com muito louvor.

    OUT OF THE TUNNELS MOUTH
    2009
    Por Tiago Meneses




    Esse seu mais novo álbum foi lançado em 2009 e contou com alguns convidados de peso, como Anthony Phillips, guitarrista que ocupava o cargo no Genesis antes da entrada de Steve Hackett, e Chirs Squire, referência no baixo no universo do Rock Progressivo e nome forte no Yes. Mesmo esperando uma qualidade maior do que de fato o álbum apresentou, talvez tenha sentido isso por causa do “Wild Orchids” que como dito mais acima, foi algo totalmente surpreendente, o que se encontra aqui é um disco muito bom e sendo belíssimo de se ouvir em certos momentos, “Fire on the Moon” já abre o álbum com todo louvor. Outras faixas que merecem destaques são “Nomads” e” Emerald And Ash”.

    BEYOND THE SHROUDED HORIZON
    2011
    Por Tiago Meneses




    Mais um trabalho que nos faz pensar, “não acredito, ele voltou”. Por que isso? Pelo tempo de carreira e forma incansável inclusive em ideias em que Hackett sempre aparece em seus novos álbuns há alguns anos. Trata-se de uma obra extremamente coesa e que parece ser feita pra ser escutada do começo ao fim exatamente na ordem que é traga pelo CD. Mas ainda assim, destaco “Turn This Earth Island” como a mascote do álbum.

    GENESIS REVISITED II
    2012
    Por Tiago Meneses




    Em 2012 o músico quis novamente lançar mais um álbum com canções de sua ex-banda. O interessante é que Hackett nunca precisou tocar nada do Genesis pra fazer sua carreira solo alavancar, sempre foi honesto dentro de suas propostas e talvez isso faz com que a maneira que o álbum se desenrola o torne apaixonante. Ótimo time de músicos, reelaborações de músicas que marcam a história do Genesis e que já eram magistrais a mais de 30 anos atrás como “Suppers Ready “, “The Magical Box”, “The Chamber of 32 Doors “ entre outras.



Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z



LOJALOUCOSPORMUSICA - camisetas, miniaturas, chaveiros

Acesse: https://www.loucospormusica.com/

Outras Discografias

Outras Resenhas