Discografia Comentada - Eric Clapton

ERIC CLAPTON title=

ERIC CLAPTON

Surrey - Inglaterra
Desde: 1962
Nascimento: 30/03/1945

Site oficial: http://www.ericclapton.com/

Descrição do Artista
Um dos maiores guitarristas de todos os tempos. Participou de várias bandas, entre elas o Cream, e possui uma bela e interessante discografia.

Esta discografia foi acessada 6141 vezes.


Álbuns
    ERIC CLAPTON
    1970
    Por Anderson Nascimento




    Antes de lançar o seu primeiro album solo, Eric Clapton já tinha história, tendo participado de grupos como “The Yardbirds”, “Cream” e “Blind Faith”. Clapton também já era chamado de “Deus” pelos admiradores de sua forma virtuosa de tocar guitarra. Seu primeiro álbum foi gravado com a participação de vários amigos, entre eles, Leon Russell e Stephen Stills. O disco traz canções autorais e regravações de canções como o single “After Midnight” (J.J. Cale), faixa que se tornou um dos grandes sucessos de Clapton. O disco traz uma mistura de ritmos que vão do Blues de “Bottle of Red Wine”, passeando em diversos momentos pela sonoridade da Black Music, até o Rock básico de “Blues Power”. O disco também traz o sucesso “Let It Rain”, segundo single do disco.

    461 OCEAN BOULEVARD
    1974
    Por Anderson Nascimento




    Após gravar o sucesso “Layla and Other Assorted Love Songs” (1970), com a banda que batizada como “Derek and The Dominos”, e de sua conturbada dissolução, Eric, recuperado de sua dependência em heroína, mas afogado no álcool, partiu para o seu segundo álbum solo de estúdio. O disco traz uma sonoridade muito distinta de tudo o que Clapton já havia produzido. O álbum, de pouca ênfase na guitarra, tem o reggae “I Shot The Sheriff”, faixa que foi responsável por apresentar a música de Bob Marley ao mundo. Além disso, o disco traz a maravilhosa “Let It Grow” e "Steady Rollin Man", de Robert Johnson.

    THERES ONE IN EVERY CROWD
    1975
    Por Valdir Junior




    Gravado na Jamaica, onde Clapton tentou absorver um pouco do espírito e vibração do Reggae, o álbum apresenta uma mescla de blues, reggaes e baladas. É um disco bem calmo e relaxado sem nenhum rock, mas com belas passagens de violão e guitarra. Destaque para “The Sky Is Crying” de Elmore James, “Better Make It Through Today” e a bonita “Opposites”.

    NO REASON TO CRY
    1976
    Por Valdir Junior




    Gravado no Shangri-La Studios da “The Band” e contanto com a participação de vários amigos como a própria The Band, Ronnie Wood, Bob Dylan, Jesse Ed Davis, George Harrison (creditado como Geoffrey Harrison) entre outros. É um disco mais animado e vibrante que o anterior, com uma sonoridade que se aproxima muito da Country Music, mas ainda com bastante doses de Blues. Destaque para "Double Trouble" (Otis Rush), "Sign Language" (Bob Dylan), com o próprio Dylan também cantando, e "Hello Old Friend" uma das grandes canções de Clapton que não é tão lembrada.

    SLOWHAND
    1977
    Por Valdir Junior




    Um dos discos de década de 1970 de maior sucesso da carreira de Clapton, um álbum mais roqueiro e onde a guitarra é colocada em primeiro plano pela primeira vez desde que começou sua carreira solo. “Slowhand” é o apelido dado a Clapton pelo empresário dos Yardbirds no período em que ele esteve na banda. Três dos maiores sucessos de Clapton estão nesse álbum: "Cocaine" (J.J. Cale), "Wonderful Tonight" e"Lay Down Sally", sucessos que nunca ficaram fora de seus shows até hoje. Destaque também para a faixa "The Core".

    BACKLESS
    1978
    Por Valdir Junior




    Usando os mesmos ingredientes do disco anterior (Blues, Rock, Country, Baladas) e que com esse álbum ficou definido o tipo de som que Clapton procurou fazer durante toda a década de 70, às vezes acertando, outras vezes nem tanto. O álbum traz também uma nova composição de Bob Dylan "Walk Out in the Rain" que abre o disco e tem também como destaque: "Tulsa Time”, “If I Dont Be There by Morning" e "Roll It".

    ANOTHER TICKET
    1981
    Por Valdir Junior




    Tentando mudar seu som, Clapton troca toda sua banda (a mesma que vinha acompanhado desde o início da década) e faz um bom álbum com boas canções que refletem de uma forma ou de outra os problemas que Clapton vinha vivendo (alcoolismo , brigas no casamento, morte de amigos). Mais focando no Rock e no Blues o álbum não desaponta e na época várias canções tocaram muito nas rádios FM . Destaque para a faixa título “Another Ticket” e para "I Cant Stand It", "Catch Me If You Can" e "Blow Wind Blow" de Muddy Waters.

    MONEY AND CIGARETTES
    1983
    Por Valdir Junior




    No início da década de 80 Clapton estava meio perdido dentro do novo cenário do Pop Rock, o que, junto com o seu problema com o Álcool, dificultou algumas decisões e noções sobre para onde sua música caminhava. Para reforçar, a banda de Clapton traz o excelente guitarrista Ry Cooder que ajuda a dar uma cara mais Rock ao álbum. Destaque para a belíssima "Pretty Girl" e também para "The Shape Youre In", "Slow Down Linda" e "Ive Got a Rock n Roll Heart".

    BEHIND THE SUN
    1985
    Por Valdir Junior




    Com produção de Phil Collins (que também toca bateria no disco) e usando sua banda de tour, parte das gravações foram rejeitadas pela Warner que queria um material mais comercial. A contra gosto, Clapton aceitou, e três novas músicas foram gravadas e produzidas por Ted Templeman e Lenny Waronker, usando dessa vez músicos de estúdio. É o disco mais Pop de Clapton, que usa guitarras e baterias sintetizadas, mas não estragam a dinâmica do disco. Destaque para "Shes Waiting", "Somethings Happening", "Knock on Wood", "Never Make You Cry".

    AUGUST
    1986
    Por Anderson Nascimento




    “August” segue a linha pop que os seus álbuns oitentistas vinham trilhando, mas nesse caso, Clapton conseguiu uma boa resposta do público, já que esse foi o álbum mais bem vendido do artista até então. O disco peca pelos arranjos extremamente pop, esse exagero fica claro em faixas como “Run”, música onde se percebe nitidamente a influência de Phil Collins (novamente um dos produtores do disco), e “Walk Away”, ambas as músicas em nada lembram o guitarrista Eric Clapton. São desse disco os sucessos “Tearing Us Apart” (dueto com Tina Turner) e “Behind The Mask”, faixa que traz letra de Michael Jackson, que chegou a gravar a canção para o álbum “Thriller”, mas que acabou não entrando no disco. Entre as outras faixas há bons momentos como “Bad Influence”, canção de Robert Cray e Michael Vanice, e “Holy Mother”.

    JOURNEYMAN
    1989
    Por Anderson Nascimento




    Três anos após o sucesso do álbum anterior, Eric Clapton consegue repetir a dose com um álbum recheado de singles de sucesso, casos de “Bad Love”, “Pretending” e “Run So Far” (composição de George Harrison), mas dessa vez com um som mais vivo, com mais guitarras e menos teclados e sintetizadores. O álbum volta a apresentar blues como o sucesso "Before You Accuse Me", a linda "Running On Faith" e "Hard Times”, canção com posta por Ray Charles, e Rock como a clássica “Hound Dog”. Em sua autobiografia Eric Clapton cita esse álbum como um de seus preferidos.

    FROM THE CRADLE
    1994
    Por Valdir Junior




    Depois do estrondoso sucesso do álbum “Unplugged” Clapton teve carta branca para gravar o seu tão sonhado disco de Blues do jeito que ele queria fazer, sem pressão de gravadora, produtor, ou seja, de ninguém. Gravado ao vivo no estúdio, o álbum traz as guitarras mais cruas, ardidas e altas as quais Clapton não gravava desde o Cream. Composto por covers de seus ídolos e clássicos do Blues que acompanharam Clapton “Desde o Berço” (From the Cradle)” como "Blues Before Sunrise", "Groaning the Blues", "Someday After a While","Five Long Years" entre outras.

    PILGRIM
    1998
    Por Anderson Nascimento




    “Pilgrim” foi um álbum elogiado pela crítica em geral e bem aceito pelo público. O início arrebatador com “My Fathers Eyes” é louvável, e a sequência com a emocionante “Rivers of Tears” constroem uma base sólida para o álbum que traz um conjunto de canções inéditas, algo que não ocorria desde 1989, ou seja, há quase 10 anos. Em vários momentos ao longo do disco Clapton lembra a morte de seu filho Conor em 1991. O disco tem influência sonora de música negra americana em diversos momentos, e soa moderno em faixas como “Pilgrim”. O trabalho ainda apresenta outras boas canções, que até chegaram a fazer sucesso, caso de “Broken Hearted" e “You Were There”.

    RIDING WITH THE KING
    2000
    Por Valdir Junior




    Com esse álbum outro grande desejo de Clapton é realizado: gravar um disco em parceria com seu ídolo B.B.King dividindo os vocais em quase todas as músicas. A dupla resgata alguns grandes sucessos de B.B. como "Three OClock Blues" e "Ten Long Years" junto a novas composições e trazem uma sonoridade moderna para o Blues , usando todos os recursos que a tecnologia pode ajudar sem descaracterizar a música e o sentimento contido nela. Destaque para "Come Rain or Come Shine", "I Wanna Be", "Hold On”, “Im Comin” e as duas já citadas músicas de B.B.King.

    REPTILE
    2001
    Por Anderson Nascimento




    Esse é outro título interessante na discografia de Eric Clapton. O álbum inicia com sons que lembram a Bossa Nova na faixa instrumental que dá nome ao disco, e parte para o delicioso Pop-Blues "Got You on My Mind", o álbum exala uma absorção de vários estilos musicais, fato que o torna gostoso de se ouvir. Clapton também faz vários covers no disco, entre eles, o artista regrava Stevie Wonder, James Taylor e Ray Charles. Instrumentalmente o destaque fica para o saudoso Billy Preston pilotando o órgão que acaba conduzindo todo o disco, assim como os backing vocals feitos pela banda The Impressions.

    ME AND MR. JOHNSON
    2004
    Por Valdir Junior




    Gravado durante as sessões de gravação do que viria a ser o álbum “Back Home” com o intuito de ser um aquecimento entre os músicos, acabou tomando forma de um disco tributo ao grande bluesman Robert Johnson, herói-mito-ídolo de Clapton desde o início de sua carreira e a quem achava que estava em debito. As músicas são tocadas com reverencia e a interpretação de Clapton consegue destacar ainda mais a grandeza da obra de Robert. Destaque para "Hell Hound on My Trail", "Kind Hearted Woman Blues", "When You Got a Good Friend" e "Milkcows Calf Blues".

    BACK HOME
    2005
    Por Anderson Nascimento




    “Back Home” é um disco bem gravado e tocado, não à toa o disco conta com as participações de Billy Preston, John Mayer, Abe Laboriel Jr. e Stevie Winwood, mas em termos de canções não empolga muito. Traz uma homenagem ao seu amigo George Harrison, a regravação de “Love Comes To Everyone”, que acaba sendo uma das melhores atrações do álbum. Outros bons momentos ficam por conta da faixa de abertura “So Tired”, "Im Going Left" e “Lost and Found”.

    THE ROAD TO ESCONDIDO
    2006
    Por Valdir Junior




    A ideia inicial para esse álbum era que Clapton gravasse algumas canções de J.J.Cale e que as mesmas fossem produzidas por J.J , mas após algum tempo trabalhando juntos Clapton resolveu dividir o disco com o amigo já que a participação de J.J. era a base de todo o projeto. Gravado com a participação de diversos amigos como Derek Trucks, Pino Palladino, Abe Laboriel Jr, John Mayer, Billy Preston, Doyle Bramhall II e Taj Mahal. O Album trás Blues e Country bem ao estilo de J.J.Cale. Destaque para "Danger", "When This War Is Over","Ride the River" e "Anyway the Wind Blows".

    CLAPTON
    2010
    Por Anderson Nascimento

    Ler resenha completa


    Após cinco anos sem lançar um álbum solo de inéditas, Eric Clapton ressurge com o álbum intitulado simplesmente “Clapton”. O álbum traz um Clapton distante de cenários mais pop que ilustraram alguns de seus últimos álbuns solo, dando ênfase maior ao blues, obviamente remetendo às suas raízes, porém o clima uniforme e monocromático do álbum acaba deixando o disco um pouco cansativo. Destaque para “Run Back To Your Side”, única composição de Clapton no álbum, e para “Diamonds Made From Rain”, que conta com os vocais de Sherly Crow.

    OLD SOCK
    2013
    Por Anderson Nascimento

    Ler resenha completa


    Apesar de lembrar o blues em vários momentos, Clapton também explora sons como o Reggae. O disco é recheado de participações especiais, entre elas, os destques são “Gotta Get Over”, que traz participação de Chaka Khan nos vocais, “All Of Me”, que traz Paul McCartney no baixo e nos backing vocals e "Still Got the Blues" que traz Steve Winwood como convidado.

    THE BREEZE: AN APPRECIATION OF JJ CALE
    2014
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa



    CROSSROADS REVISITED
    2016
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa



    I STILL DO
    2016
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa



    LIVE IN SAN DIEGO
    2016
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa





Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





LOJALOUCOSPORMUSICA - camisetas, miniaturas, chaveiros

Acesse: https://www.loucospormusica.com/

Outras Discografias

Outras Resenhas