Discografia Comentada - Paralamas Do Sucesso, Os

PARALAMAS DO SUCESSO, OS title=

PARALAMAS DO SUCESSO, OS

Rio de Janeiro - Brasil
Desde: 1977
Site oficial: http://www2.uol.com.br/paralamas/

Descrição do Artista
Uma das principais bandas do país, surgiu em 1977, mas despontou com sucesso em 1983 quando lançou o primeiro disco.Os Paralamas do Sucesso é uma banda de ska e rock, formada no Rio de Janeiro no final dos anos 70. Seus integrantes desde 1982 são Herbert Vianna (guitarra e vocal), Bi Ribeiro (baixo) e João Barone (bateria). No início a banda misturava rock com reggae, posteriormente passaram a agregar instrumentos de sopro e ritmos latinos.

Esta discografia foi acessada 6604 vezes.


Álbuns
    CINEMA MUDO
    1983
    Por Valdir Junior




    Resultado direto da fita demo gravada em 1982, que foi muito tocada na antiga Rádio Fluminense FM do Rio, e foi passaporte para o contrato com a EMI, o primeiro álbum dos Paralamas é um disco mediano e não reflete muito o potencial da banda. Os próprios músicos não gostaram do resultado final e até hoje mostra esse descontentamento. Apesar disso tem 3 boas musicas: "Vital e Sua Moto", "Cinema Mudo" e a inusitada parceria entre Herbert, Barone e Renato Russo “O Que Eu Não Disse".

    O PASSO DO LUI
    1984
    Por Valdir Junior




    Lançado no final de 1984 e antes da apresentação do trio no primeiro Rock in Rio em Janeiro de 1985 que consagrou os Paralamas, o álbum conseguiu mostrar a verdadeira sonoridade da banda, com músicas mais fortes (8 das 10 músicas do disco foram muito tocadas nas rádios) e que acabariam se tornando marcos tanto da carreira da banda como do Pop Rock Brasileiro. Destaque para: "Mensagem de Amor", "Óculos", "Meu Erro", "Fui Eu" (Herbert Vianna), "Romance Ideal" e "Me Liga".

    SELVAGEM?
    1986
    Por Valdir Junior




    Após o sucesso do disco anterior e de uma agenda de shows que levou os Parlamas a tocar por todo o Brasil, chegando a tocar até na Argentina. O trio vem disposto a apostar num álbum ainda mais forte e com uma sonoridade nova fortemente influenciada pela música brasileira e Reggae e letras com temáticas sócias. Na época causou alvoroço e muito gente não entendeu a nova abordagem da banda, o que não afetou o sucesso do álbum e das músicas "Alagados", "A Novidade" (feita em parceria com Gilberto Gil), "Melô do Marinheiro" e a regravação de "Você" ( Tim Maia ).

    D
    1987
    Por Valdir Junior




    Primeiro disco ao vivo dos Paralamas, gravado em Julho de 1987 na primeira apresentação que Herbert, Bi e Barone fizeram no Festival de Jazz de Montreux, mostra a energia da banda no palco fazendo ótimas e incendiárias verões para "A Novidade", "Meu Erro", "Selvagem" e “SKA”. A partir desse disco e show os Paralamas começaram a contar com a presença de João Fera (teclados) como músico de apoio, começando assim a aumentar tanto o som como a sonoridade da banda nos palcos e discos. Destaque para a nova música "Será Que Vai Chover?" (na edição em CD essa música também aparece em sua versão de estúdio como Bônus Track) e a regravação de "Charles, Anjo 45" (Jorge Ben).

    BORA BORA
    1988
    Por Valdir Junior




    Produzido pelos Paralamas e Carlos Savalla, o álbum mostra a constante vontade da banda em não se repetir de um disco para o outro, a entrada dos metais na sonoridade da banda, é fruto da sempre e boa procura para uma nova sonoridade sem se deixar perder sua personalidade. O álbum traz músicas que refletem tanto o lado festivo e alegre da vida ("Bora-Bora", "Bunda Lê Lê", "Um a Um"), fazendo contraponto com outras mais melancólicas e introspectivas ("Uns Dias", "Quase um Segundo", "Dois Elefantes", "O Fundo do Coração”) e crítica social (“O Beco").

    BIG BANG
    1989
    Por Valdir Junior




    Continuando a experiência do disco anterior, os Paralamas continuam fazendo novas experiências com vários ritmos de diferentes lugares (África, Londres, Caribe, Bahia, Mangueira, Kingston) que se misturam num caldeirão pop com uma naturalidade orgânica e dançante que fizeram os Paralamas caírem novamente na estrada com uma agenda de shows cada vez mais repleta. Destaque para os sucessos "Perplexo", "Pólvora" e "Lanterna dos Afogados".

    ARQUIVO
    1990
    Por Valdir Junior




    Fechando a década, os Paralamas fazem um resumo de sua carreira com uma coletânea de seus maiores sucessos, e colocando como atrativo a nova gravação de “Caleidoscópio” de Herbert, anteriormente gravada pelo grupo Sempre Livre, e também a regravação de “Vital e Sua Moto” e “Cinema Mudo” do primeiro disco, com novos arranjos e uma pegada mais forte e bem mais a ver com a fase atual da banda. Após lançar esse disco a ideia inicial dos Paralamas eram tirar umas férias em 1991 dos shows e se preparar para o próximo disco.

    OS GRÃOS
    1991
    Por Valdir Junior




    Antes mesmo do esperado os Paralamas voltam com um álbum diferente, apostando na utilização de elementos eletrônicos nas músicas, o que não agradou o publico em geral e também os críticos que malharam muito o álbum, considerando o um grande fracasso na carreira da banda, o que em retrospecto é uma grande injustiça, o álbum está repleto de ótimas e fortes canções, e os sons eletrônicos utilizados, mostram o quanto Herbert, Bi e Barone estavam antenados com os novos caminhos que música estava por percorrer naquela nova década. Merece e muito ser reavaliado. Destaque para "Sábado", "Trac-Trac", "O Rouxinol e a Rosa", "Tendo a Lua", "Não Adianta" e "Dai-nos".

    SEVERINO
    1994
    Por Valdir Junior




    Com produção de Phil Manzanera (Roxy Music) e totalmente influenciado pela música nordestina e pela literatura de cordel, o álbum é a extensão musical do primeiro disco solo de Herbert (“Ê Batumaré”, de 1992). Cheio de melodias não comuns nos discos de Pop Rock fizeram o disco ser também muito mal recebido tanto por fãs, críticos e o publico em geral, tornando-se um fracasso comercial. Contrastando com os Shows que continuaram com uma agenda cheia e boa resposta do publico. Com a versão em espanhol desse disco os Paralamas intensificaram e estreitaram suas relações com outros países da America Latina, principalmente a Argentina onde esse disco foi muito bem recebido. Como o álbum anterior “Severino” deve ser muito bem reavaliado, pois em termos artísticos e musicais podemos considerar esse o equivalente ao “Sgt. Peppers” dos Beatles para os Paralamas. Destaque para "O Rio Severino", "Vamo Batê Lata", "Dos Margaritas", "El Vampiro Bajo El Sol" com letra de Herbert e música de Fito Paez, que conta com a participação mais do que luxuosa e emblemática de Brian May (Queen) na guitarra solo.

    VAMO BATÊ LATA
    1995
    Por Valdir Junior




    Segundo disco ao vivo dos Paralamas, resultado da ótima e bem recebida turnê do disco anterior. “Vamo Batê Lata” praticamente é um “Greatest Hits Live”, com ótimas performances para os hits do passado acrescidos das músicas mais representativas do “Severino”. Também inclui um CD bônus com 4 músicas inéditas ("Uma Brasileira", "Saber Amar", "Luis Inácio (300 Picaretas)", "Esta Tarde"). Com o grande sucesso de “Uma Brasileira” e a polêmica gerada com a música “Luis Inácio”, o álbum se tornou rapidamente um dos mais vendidos do grupo e também daquele ano de 1995, colocando novamente os Paralamas de volta ao sucesso, trazendo com isso uma nova geração de fãs que começara a conhecer a banda a partir desse álbum. Destaque para participação de Djavan em “Uma Brasileira” e de Fito Paez em “Trac Trac” no CD ao vivo.

    9 LUAS
    1996
    Por Valdir Junior




    Após a fraca recepção dos dois últimos discos de estúdio, experimentais e inovadores, e com o sucesso alcançado com “Uma Brasileira”, os Paralamas voltam a produzir um disco mais simples, uma síntese do trabalho dos Paralamas, voltado mais para o universo pop rock, mais maduro e cheio de boas melodias, de uma nova safra de boas músicas compostas por Herbert. Durante a gravação desse álbum foi que surgiu a idéia para a gravação de um “Acústico MTV” e também foi nesse período que Herbert gravou o seu segundo disco solo (“Santorini Blues”). Destaque para "Lourinha Bombril", "Busca Vida", "De Música Ligeira", "Seja Você" e "Capitão de Indústria".

    PÓLVORA (A LATA)
    1997
    Por Valdir Junior




    Na esteira do sucesso de “Vamo Batê Lata” e “9 Luas” e com o intuito de revitalizar o catálogo dos Paralamas, foi lançado no mercado uma lata em tiragem limitada, com os oito primeiros álbuns da banda até “Severino” - eles estavam fora de catálogo já há algum tempo -, o que foi também uma forma de oferecer aos novos fãs a possibilidade de conhecer esse material. Todos os álbuns foram remasterizados nos estúdios de Abbey Road. O lado negativo é que não foi incluído nenhum material inédito (out-takes, ensaios, músicas novas, etc.), apenas um livreto com 60 páginas contanto a história dos Paralamas escrito pela jornalista Ana Maria Bahiana. Mais tade todos CDs foram relançados separadamente, e a caixa saiu do catalogo e é agora item raro.

    HEY NA NA
    1998
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa


    Produzido por Chico Neves e utilizando de forma mais intensa as novas tecnologias disponíveis na época como o sistema Pro Tools de gravação, e com forte intenção de fazer um álbum Pop com sofisticação, usando todas as lições aprendidas desde “Severino” até o sucesso de “9 Luas”, os Paralamas gravam um ótimo álbum repleto de ótimas músicas e participações especiais (Marisa Monte, Dado Villa-Lobos, Jorge Mautner). Destaque para: "O Amor Não Sabe Esperar", "Por Sempre Andar", "Viernes 3 AM", "Ela Disse Adeus” e “O Trem da Juventude”.

    JUNTOS AO VIVO - SEMPRE LIVRE MIX
    1999
    Por Valdir Junior




    Resultado de uma série de shows que uniu os Paralamas e os Titãs, realizados pelo Brasil inteiro, com patrocínio da empresa Johnson & Johnson, este CD veio encartado numa promoção dos absorventes Sempre Livre e traz as duas bandas tocando juntas seus repertórios, com muita vibração e energia. Destaque para as arrebatadoras versões de "Lugar Nenhum" e "Pólvora". Esse CD é um dos itens muito raros da discografia das duas bandas.

    ACÚSTICO
    1999
    Por Valdir Junior




    Gravação do tão aguardo acústico que banda vinha prometendo já há algum tempo e também resultado de vários “shows secretos” que os Paralamas vinham realizado a fim de testar repertório e formato para a gravação da MTV. Fugindo da fórmula fácil de repassar os maiores sucessos no formato “banquinho e violão”, os Paralamas apostam em músicas menos conhecidas de seus álbuns, com arranjos poderosos (muito por inclusão dos metais em todas as músicas e a presença de Dado Villa-Lobos no segundo violão) e Zizi Possi como convidada especial cantando “Meu Erro” junto de Herbert. Destaque para “Vulcão Dub / Fui Eu”, “Feira Moderna (Beto Guedes)”, “Um Amor, Um Lugar”, “Vai Valer” e “Manguetown (Chico Science & Nação Zumbi)”.

    ARQUIVO 2
    2000
    Por Valdir Junior




    Usando a mesma fórmula da coletânea anterior, fechando a década fazendo a retrospectiva dos anos de 1991 a 2000. Mais uma vez o álbum “Severino” é deixado de lado e nenhuma música dele aparece aqui, “Mensagem de Amor” é regravada numa evada mais acústica e a inédita “Aonde Quer Que Eu Vá” torna-se outro grande sucesso dos Paralamas. Novamente a intenção após esse álbum era tirar férias dos palcos e dos estúdios, recarregando as baterias para uma nova fase, mas infelizmente, essa nova fase veio cheia de dor, perda e novos obstáculos.

    LONGO CAMINHO
    2002
    Por Valdir Junior




    Primeiro álbum de estúdio após o acidente de Herbert em fevereiro de 2001. É um disco muito, muito pesado, com músicas focadas apenas na formação “Power Trio” (guitarra-baixo-bateria) e com pouquíssimas intervenções de teclados, percussão e metais. Todas as músicas foram compostas antes do acidente de Herbert e muitas delas já haviam sido gravadas por outros artistas, mas aqui ganham novos arranjos mais crus e carregados de energia acumulada pelos últimos meses. Destaque para zeppeliana “O Calibre” e para “Seguindo Estrelas”, “Cuide Bem do Seu Amor”, “Running on the Spot” (cover do The Jam) e a linda “Hinchley Pond”.

    UNS DIAS AO VIVO
    2004
    Por Valdir Junior




    Os Paralamas caem na estrada novamente com o show do disco anterior, o resultado é esse terceiro álbum ao vivo gravado no antigo Olympia em São Paulo em 2003. Contando com uma constelação de amigos em participação especiais (Edgard Scandurra, Dado Villa-Lobo, Roberto Frejat, George Israel, Black Alien Djavan, Nando Reis e Paulo Miklos, Andreas Kisser), tocando vários sucessos de várias fases da banda e músicas do “Longo Caminho”. Destaque para as versões de “Mensagem de Amor”, “Uns Dias”, “Depois da Queda o Coice”, e “Selvagem”.

    HOJE
    2005
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa


    Ao contrário do disco anterior, as musicas de “Hoje” foram todas compostas após o acidente de Herbert. Ainda usando uma estética de Power trio, mas com uma maior abertura para os metais, as músicas refletem os últimos acontecimentos nas vidas de Herbert, Bi e Barone, mas sem deixar o pique cair em melancolia e autopiedade, os temas refletem a ansiedade e angústia que poderiam ser de qualquer um de nós. Destaque para “Ponto de Vista”, “220 Desencapado”, “De Perto”, “Pétalas” e “2A”.

    ROCK IN RIO - AO VIVO 1985
    2007
    Por Valdir Junior




    Gravação do histórico show dos Paralamas no segundo dia da primeira edição do Rock in Rio, em 13 de janeiro de 1985. Tocando sucessos de seus dois primeiros álbuns como "Cinema Mudo", "Vital E Sua Moto", "Óculos", "Meu Erro", "Ska" e "Inútil", do Ultraje a Rigor e "Química", da Legião Urbana.

    LEGIÃO URBANA E PARALAMAS - JUNTOS
    2009
    Por Valdir Junior




    Gravação do Especial da TV Globo que unia as duas bandas em 1988 e que somente tinha sido exibido uma única vez na TV. Lançado agora num pacote contendo um DVD e um CD, com os Paralamas do Sucesso e a Legião Urbana tocando suas principais músicas na época e se juntando para tocar algumas músicas como “Nada Por Mim”, “Ainda É Cedo / Jumpin Jack Fash”. Os Paralamas tocam pela primeira vez a música “Depois Que o Ilê Passar” (De Milton Souza de Jesus). Vale como documento histórico, pois a edição e produção da Rede Globo deixa bem claro que muita coisa boa ficou de fora, como o medley “Purple Haze / Ska / Get Back” tocado apenas como introdução no começo do CD/DVD.

    BRASIL A FORA
    2009
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa


    Gravado na Bahia nos estúdios de Carlinhos Brown e tentando capturar novamente o clima festivo e alegre dos primeiros álbuns. As novas composições deixam um pouco a desejar em relação as anteriores, e carecem de um pouco de novidade, mas mesmo assim encontramos bons momentos, como em “Mormaço” com participação de Zé Ramalho, "A lhe esperar”, "Brasil afora" e "Tempero Zen".

    ARQUIVO 3
    2010
    Por Valdir Junior




    Fechando outra década, mais uma coletânea recapitulando o período 2001-2010. Se diferenciado dos anteriores por ser o primeiro "Arquivo" a não conter músicas inéditas ou regravações (exceto uma versão ao vivo de "Selvagem"). Com isso fica a sensação de ser apenas mais uma coletânea, sem nada de novo dando pistas do que pode vir nos anos que se seguem.

    MULTISHOW AO VIVO - BRASIL AFORA
    2011
    Por Valdir Junior




    Independente do fato de não lançarem nada de novo desde 2009, os Paralamas continuam na estrada tocando para platéias sempre cheias em várias partes do Brasil. Apesar do fraco “Brasil Afora”, a turnê desse álbum rendeu ótimos shows e a banda consegue sempre surpreender com seu carisma, energia e vontade de tocar diante dos fãs todas as canções. Gravado como especial para o canal Multishow é o retrato fiel disso e um dos melhores discos ao vivo do trio. Contanto com as participações da cantora Pitty em “Tendo a Lua” e novamente Zé Ramalho em “Mormaço”, que deixam o clima de espontaneidade ainda mais forte nas musicas.

    MULTISHOW AO VIVO 30 ANOS
    2014
    Por Rodrigo Paulo

    Ler resenha completa


    Para comemorar os seus 30 anos Os Paralamas do Sucesso lançam o CD / DVD “Multishow 30 Anos” gravação de um show realizado no dia 26 de Outubro de 2013 no Citybank Hall com sucessos como “Lourinha Bombril”, “Óculos”, “Alagados” e muitos outros. Um disco festivo e empolgante que mostra que a banda está em sua melhor forma. Uma confirmação de que Bi, João Barone e Hebert Vianna formaram uma das bandas mais sólidas do nosso cenário musical.

    SINAIS DO SIM
    2017
    Por Valdir Junior

    Ler resenha completa





Busca por Artistas

A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z





Outras Discografias

Outras Resenhas